A relação entre cada estágio da obra de Deus e Seu nome

(1) O significado de Deus adotar o nome Jeová na Era da Lei

Versos da Bíblia para referência:

“E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: Jeová, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é o meu nome eternamente, e este é o meu memorial de geração em geração” (Êxodo 3:15).

Palavras de Deus relevantes:

“Jeová” é o nome que usei durante Minha obra em Israel, e significa o Deus dos israelitas (o povo escolhido de Deus) que pode se apiedar do homem, amaldiçoar o homem e guiar a vida do homem. Significa o Deus que possui grande poder e é cheio de sabedoria. […] Isto é, somente Jeová é o Deus do povo escolhido de Israel, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o Deus de Jacó, o Deus de Moisés e o Deus de todo o povo de Israel. Assim, na presente era, todos os israelitas exceto os da tribo de Judá adoram Jeová. Eles fazem sacrifícios a Ele no altar e O servem usando vestes sacerdotais no templo. O que eles esperam é a reaparição de Jeová. […] O nome Jeová é um nome específico para o povo de Israel que viveu sob a lei. Em cada era e em cada estágio da obra, Meu nome não é infundado, mas tem um significado representativo: cada nome representa uma era. “Jeová” representa a Era da Lei, e é o título honorífico para o Deus adorado pelo povo de Israel.

de ‘O Salvador já voltou sobre uma “nuvem branca”’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante a Era da Lei, a obra de guiar a humanidade foi feita sob o nome de Jeová, e a primeira etapa da obra foi iniciada na terra. Nessa fase, a obra consistia em construir o templo e o altar, em usar a lei para guiar o povo de Israel e trabalhar no meio deles. Ao guiar o povo de Israel, Ele estabeleceu uma base para Sua obra na terra. A partir dessa base, Ele expandiu Sua obra para além de Israel, o que significa que, partindo de Israel, Ele expandiu Sua obra para fora, para que gerações posteriores gradualmente soubessem que Jeová era Deus, e que foi Jeová quem criou os céus e a terra e todas as coisas, e que foi Jeová quem fez todas as criaturas. Por meio do povo de Israel, Ele espalhou Sua obra para além deles. A terra de Israel foi o primeiro lugar sagrado da obra de Jeová na terra, e foi na terra de Israel que Deus iniciou Sua obra na terra. Essa foi a obra da Era da Lei.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante a Era da Lei, Jeová estabeleceu muitos mandamentos para Moisés transmitir aos israelitas que o seguiram ao sair do Egito. Esses mandamentos foram dados por Jeová aos israelitas e não tinham nenhuma relação com os egípcios; eles eram destinados a restringir os israelitas. Ele usou os mandamentos para exigir deles. Se eles observavam o Sábado, se respeitavam seus pais, se adoravam ídolos, e assim por diante: esses eram os princípios pelos quais eram julgados pecadores ou justos. Dentre eles, houve alguns que foram atingidos pelo fogo de Jeová, alguns que foram apedrejados até a morte e alguns que receberam a bênção de Jeová, e isso era determinado de acordo com a obediência ou não deles a esses mandamentos. Aqueles que não observassem o Sábado seriam apedrejados até a morte. Aqueles sacerdotes que não observassem o Sábado seriam atingidos pelo fogo de Jeová. Aqueles que não mostrassem respeito aos pais também seriam apedrejados até a morte. Tudo isso era elogiado por Jeová. Jeová estabeleceu os Seus mandamentos e leis para que, enquanto Ele conduzisse suas vidas, o povo ouvisse e obedecesse à Sua palavra e não se rebelasse contra Ele. Ele usou essas leis para manter a raça humana recém-nascida sob controle, para melhor estabelecer a fundação de Sua futura obra. Assim, com base na obra que Jeová fez, a primeira era foi chamada Era da Lei.

de ‘A obra na Era da Lei’ em “A Palavra manifesta em carne”

Todo o povo de Israel chamava Jeová de seu Senhor. Naquela época, eles O consideravam o chefe de suas famílias, e todo o Israel se tornou uma grande família na qual todos adoravam seu Senhor Jeová. O Espírito de Jeová aparecia frequentemente para eles, e Ele falava e proferia Sua voz para eles, e usava uma coluna de nuvem e som para orientar suas vidas. Naquele tempo, o Espírito proveu Sua orientação em Israel diretamente, falando e proferindo Sua voz às pessoas, e elas contemplaram as nuvens e ouviram os trovões, e, assim, Ele guiou suas vidas por milhares de anos. Assim, somente as pessoas de Israel sempre adoraram a Jeová.

de ‘A visão da obra de Deus (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Jeová, após criar a humanidade, não os instruiu nem os guiou da época de Adão até a época de Noé. Ao contrário, não foi até que o dilúvio destruísse o mundo que Ele começou a guiar formalmente os israelitas, que eram descendentes de Noé e também de Adão. Sua obra e Suas declarações em Israel proveram direção a todo o povo israelita enquanto eles viviam sua vida por toda a terra de Israel e, dessa forma, mostrava à humanidade que Jeová não só era capaz de soprar fôlego no homem, para que ele pudesse ter vida proveniente Dele e se erguer do pó como ser humano criado, mas que Ele também poderia incinerar a humanidade, amaldiçoar a humanidade e usar a Sua vara para governar a humanidade. Assim também, eles viram que Jeová poderia dirigir a vida do homem na terra, bem como falar e operar entre a humanidade de acordo com as horas do dia e da noite. Ele fez a obra somente para que Suas criaturas pudessem saber que o homem veio do pó que Ele apanhou e, além disso, que o homem havia sido feito por Ele. Não apenas isso, mas a obra que Ele começou em Israel tinha por propósito que outros povos e nações (que na verdade não estavam apartados de Israel, mas que haviam se ramificado dos israelitas, mesmo assim, eram ainda descendentes de Adão e Eva) pudessem receber o evangelho de Jeová a partir de Israel, a fim de que todos os seres criados do universo pudessem ser capazes de reverenciar Jeová e tê-Lo como grandioso.

de ‘A obra na Era da Lei’ em “A Palavra manifesta em carne”

O nome Jeová não pode representar todo o caráter de Deus. O fato de que Ele realizou uma obra na Era da Lei não prova que Deus só pode ser Deus sob a lei. Jeová estabeleceu leis para o homem e proferiu mandamentos, pedindo ao homem que construísse o templo e os altares; a obra que Ele fez representa apenas a Era da Lei. A obra que Ele fez não prova que Deus é só um Deus que pede ao homem para respeitar a lei, nem que Ele é o Deus no templo nem que Ele é o Deus diante do altar. Dizer isso não seria verdade. A obra realizada sob a lei só pode representar uma era.

de ‘O mistério da encarnação (4)’ em “A Palavra manifesta em carne”

(2) O significado de Deus adotar o nome Jesus na Era da Graça

Versos da Bíblia para referência:

“Em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, pois o que nela se gerou é do Espírito Santo; ela dará à luz um filho, a quem chamarás JESUS; porque Ele salvará o Seu povo dos seus pecados” (Mateus 1:20-21).

“Disse-lhe então o anjo: Não temas, Maria; pois achaste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus. Este será grande e será chamado filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi Seu pai; e reinará eternamente sobre a casa de Jacó, e o Seu reino não terá fim” (Lucas 1:30-33).

Palavras de Deus relevantes:

A Era da Graça começou com o nome de Jesus. Quando Jesus começou a realizar Seu ministério, o Espírito Santo começou a testemunhar o nome de Jesus, e o nome de Jeová não foi mais mencionado; em vez disso, o Espírito Santo empreendeu a nova obra principalmente sob o nome de Jesus. O testemunho dado por aqueles que Nele criam foi de Jesus Cristo, e o trabalho que fizeram também foi por Jesus Cristo. A conclusão da Era da Lei do Antigo Testamento significava que a obra conduzida principalmente sob o nome de Jeová havia chegado ao fim. Dali em diante, o nome de Deus já não era mais Jeová; em vez disso, Ele foi chamado de Jesus e, a partir disso o Espírito Santo iniciou a obra principalmente sob o nome de Jesus.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

“Jesus” é Emanuel, e significa a oferta pelo pecado que é repleta de amor, repleta de compaixão e que redime o homem. Ele fez a obra da Era da Graça, e representa a Era da Graça, e só pode representar uma parte do plano de gestão. […] Somente Jesus é o Redentor da humanidade. Ele é a oferta pelo pecado que redimiu do pecado a humanidade. Ou seja, o nome de Jesus veio da Era da Graça, e existiu por causa da obra da redenção na Era da Graça. O nome de Jesus existiu para permitir que as pessoas da Era da Graça renasçam e sejam salvas, e é um nome específico para a redenção de toda a humanidade. Assim, o nome de Jesus representa a obra da redenção e denota a Era da Graça. […] “Jesus” representa a Era da Graça, e é o nome do Deus de todos aqueles que foram redimidos durante a Era da Graça.

de ‘O Salvador já voltou sobre uma “nuvem branca”’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante a Era da Graça, o nome de Deus era Jesus, isto é, Deus foi um Deus que salvou o homem, e Ele foi um Deus compassivo e amoroso. Deus estava com o homem. Seu amor, Sua compaixão e Sua salvação acompanharam cada pessoa. Somente ao aceitar o nome de Jesus e Sua presença o homem era capaz de ganhar paz e alegria, receber Sua bênção, Suas vastas e numerosas graças e Sua salvação. Através da crucificação de Jesus, todos aqueles que O seguiram receberam a salvação e foram perdoados pelos seus pecados.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando Jesus veio, Ele também fez parte da obra de Deus e proferiu algumas palavras, mas qual foi a principal obra que Ele realizou? Sua principal realização foi a obra da crucificação. Ele se tornou a semelhança da carne pecaminosa para concluir a obra de crucificação e redimir toda a humanidade, e foi por causa de todo o pecado da humanidade que Ele serviu como oferta pelo pecado. Esta é a principal obra que Ele realizou. Por fim, Ele forneceu o caminho da cruz para guiar os que vieram depois. Quando Jesus veio, foi principalmente para completar a obra de redenção. Ele redimiu toda a humanidade e trouxe o evangelho do reino dos céus ao homem; além disso, criou a senda para o reino dos céus. Como resultado, todos aqueles que vieram depois disseram: “Devemos percorrer a senda da cruz e nos sacrificar pela cruz”. Claro que, no início, Jesus também fez algumas outras obras e proferiu algumas palavras para fazer o homem se arrepender e confessar seus pecados. Mas Seu ministério ainda era a crucificação, e os três anos e meio que Ele passou pregando o caminho foram em preparação para a crucificação que veio depois. As várias vezes que Jesus orou também foram em nome da crucificação. A vida de homem normal que Ele levou e os trinta e três anos e meio que Ele viveu na Terra foram principalmente para concluir a obra da crucificação; eles deveriam dar-Lhe força para empreender esta obra, por isso Deus confiou a obra da crucificação a Ele.

de ‘Tudo é realizado pela palavra de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quanto à obra da Era da Graça, Jesus foi o Deus que salvou o homem. O que Ele teve e era foi graça, amor, compaixão, indulgência, paciência, humildade, cuidado e tolerância, e uma boa parte da obra que Ele fez foi em benefício da redenção do homem. Quanto à Seu caráter, era de compaixão e amor, e porque Ele era compassivo e amoroso, Ele tinha que ser pregado na cruz pelo homem, a fim de mostrar que Deus amava o homem como a Ele mesmo, tanto que Ele ofereceu a Si mesmo em Sua totalidade. Satanás disse: “Visto que Você ama o homem, Você deve amá-lo ao extremo final: Você deve ser pregado na cruz, para livrar o homem da cruz, do pecado, e Você oferecerá a Si mesmo em troca por toda a humanidade”. Satanás fez a seguinte aposta: “Sendo Você um Deus amoroso e compassivo, deve amar o homem até o extremo final: Você deve então oferecer a Si mesmo até a cruz”. Jesus respondeu: “Contanto que seja para a humanidade, estou disposto a dar tudo de Mim”. E então Ele foi à cruz sem a menor consideração por Si mesmo e redimiu toda a humanidade.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Então, durante a Era da Graça, Jesus veio para redimir toda a humanidade caída (e não somente os israelitas). Ele mostrou misericórdia e benignidade ao homem. O Jesus que o homem viu na Era da Graça foi cheio de benignidade e sempre foi amoroso em relação ao homem, pois Ele tinha vindo para salvar a humanidade do pecado. Ele foi capaz de perdoar os homens de seus pecados até que a Sua crucificação redimiu completamente a humanidade do pecado. Durante esse período, Deus apareceu diante do homem com misericórdia e benignidade; isto é, Ele se tornou uma oferta pelo pecado para o homem e foi crucificado pelos pecados do homem de modo que eles pudessem, para sempre, ser perdoados. Ele foi misericordioso, compassivo, longânimo e amoroso. E todos os que seguiram a Jesus na Era da Graça, do mesmo modo buscaram ser longânimos e amorosos em todas as coisas. Eles foram longânimos e nunca revidaram, mesmo quando apanhavam, eram amaldiçoados ou apedrejados.

de ‘As duas encarnações completam o significado da encarnação’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante a Era da Graça, Jesus foi o nome de Deus. Em outras palavras, a obra da Era da Graça foi feita principalmente sob o nome de Jesus. Durante a Era da Graça, Deus foi chamado de Jesus. Ele empreendeu um estágio da nova obra além do Antigo Testamento e Sua obra terminou com a crucificação. Essa foi a totalidade de Sua obra.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

(3) O significado de Deus adotar o nome Deus Todo-Poderoso na Era do Reino

Versos da Bíblia para referência:

Chamar-te-ão por um nome novo, que a boca de Jeová designará” (Isaías 62:2).

A quem vencer, Eu o farei coluna no templo do Meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do Meu Deus, e o nome da cidade do Meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do Meu Deus, e também o Meu novo nome” (Apocalipse 3:12).

Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso” (Apocalipse 1:8).

Dizendo: Graças Te damos, Senhor Deus Todo-Poderoso, que és, e que eras, porque tens tomado o Teu grande poder, e começaste a reinar” (Apocalipse 11:17).

Grandes e admiráveis são as Tuas obras, ó Senhor Deus Todo-Poderoso; justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei dos séculos” (Apocalipse 15:3).

Palavras de Deus relevantes:

Desde que Deus Todo-Poderoso — o Rei do reino — foi testemunhado, o escopo da gestão de Deus se desdobrou inteiramente através do universo inteiro. Não só a aparição de Deus foi testemunhada na China, como o nome de Deus Todo-Poderoso foi testemunhado em todas as nações e em todas as terras. Todos estão chamando esse santo nome, buscando ter comunhão com Deus por todos os meios possíveis, entendendo a vontade de Deus Todo-Poderoso e servindo coordenadamente na igreja. O Espírito Santo opera dessa maneira maravilhosa.

de ‘Capítulo 8’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”

Embora todos, Jeová, Jesus, e o Messias, representem Meu Espírito, tais nomes apenas denotam as diferentes eras de Meu plano de gestão e não Me representam em Minha totalidade. Os nomes pelos quais as pessoas da terra Me chamam não podem articular Meu caráter todo e tudo o que sou. Eles são simplesmente nomes distintos pelos quais Eu sou chamado durante diferentes eras. Assim, quando a era final, a era dos últimos dias, chegar, Meu nome irá mudar novamente. Não serei chamado de Jeová, nem de Jesus, e menos ainda de Messias, mas serei chamado de o Próprio Deus Todo-Poderoso forte, e sob tal nome porei fim a toda a era. Já fui conhecido como Jeová. Também já fui chamado de Messias, e as pessoas uma vez Me chamaram de Jesus, o Salvador, porque elas Me amavam e respeitavam. Mas hoje não sou o Jeová ou o Jesus que as pessoas conheceram nos tempos passados; sou o Deus que voltou nos últimos dias, o Deus que irá colocar fim a esta era. Sou o Próprio Deus que Se ergue nos confins da terra, repleto de todo o Meu caráter e pleno de autoridade, honra e glória. As pessoas nunca se envolveram Comigo, nunca Me conheceram e sempre foram ignorantes de Meu caráter. Desde a criação do mundo até hoje, nem uma só pessoa Me viu. Este é o Deus que aparece ao homem durante os últimos dias, mas que está oculto entre os homens. Ele reside entre os homens, verdadeiro e real, como o sol que arde e o fogo que flameja, cheio de poder e transbordante de autoridade. Não há uma única pessoa ou coisa que não vá ser julgada por Minhas palavras, e nem uma única pessoa ou coisa que não irá ser purificada pelo fogo ardente. Por fim, todas as nações serão abençoadas por causa de Minhas palavras, e também esmagadas em pedaços por causa de Minhas palavras. Assim, todas as pessoas durante os últimos dias irão ver que Eu sou o Salvador que voltou, Eu sou o Deus Todo-Poderoso que conquista toda a humanidade, e uma vez Eu fui a oferta pelo pecado para o homem, mas nos últimos dias, Eu também Me torno as chamas do sol que queima todas as coisas, bem como o Sol da justiça que revela todas as coisas. Tal é a Minha obra dos últimos dias. Eu assumi este nome e possuo deste caráter para que todas as pessoas possam ver que Eu sou um Deus justo, e sou o sol que arde e o fogo que flameja. Assim é para que todos possam Me adorar, o único Deus verdadeiro, e assim é para que possam ver Minha verdadeira face: não sou apenas o Deus dos israelitas e não sou apenas o Redentor; Eu sou o Deus de todas as criaturas no céu, na terra e no mar.

de ‘O Salvador já voltou sobre uma “nuvem branca”’ em “A Palavra manifesta em carne”

Em Sua obra final de concluir a era, o caráter de Deus é o de castigo e julgamento, o qual revela tudo que é injusto, julga publicamente todas as pessoas e aperfeiçoa as que O amam de verdade. Só um caráter como esse pode levar a era a um fim. Os últimos dias já chegaram. Todas as coisas serão classificadas segundo sua espécie e divididas em categorias diferentes com base em sua natureza. Esse é o momento em que Deus revela o desfecho e o destino das pessoas. Se as pessoas não passarem por castigo e julgamento, não haverá como revelar a desobediência e a injustiça delas. Só através do castigo e do julgamento é que o fim de todas as coisas pode ser revelado. O homem só mostra quem realmente é quando é castigado e julgado. O mal deve ser colocado com o mal, o bom com o bom, e as pessoas serão classificadas de acordo com a sua espécie. Através do castigo e do julgamento, o fim de todas as coisas será revelado, de modo que o mal será punido e o bem será recompensado, e todas as pessoas se tornarão submissas sob o domínio de Deus. Toda a obra deve ser realizada através de castigo e julgamento justos. Como a corrupção humana atingiu o ápice e a desobediência tem sido grave demais, só o caráter justo de Deus, que é principalmente o de castigo e julgamento e revelado durante os últimos dias, pode transformar e completar o homem plenamente. Só esse caráter pode expor o mal e dessa forma punir severamente todos os injustos. Portanto, um caráter como esse é imbuído da significância da era, e a revelação e a exibição de Seu caráter se dão por causa da obra de cada nova era. Deus não revela Seu caráter de forma arbitrária e sem significado. Se, quando o fim do homem é revelado durante os últimos dias, Deus ainda lhe conceder compaixão e amor inesgotáveis, se Ele ainda amar o homem, se não o sujeitar a um julgamento justo, mas lhe demonstrar tolerância, paciência e perdão, se Ele ainda perdoar não importando que pecados graves o homem comete, sem qualquer julgamento justo, então haveria algum dia um fim para todo o gerenciamento de Deus? Quando um caráter como esse seria capaz de levar a humanidade ao destino certo? Considere, por exemplo, um juiz sempre amoroso, bondoso e gentil. Ele ama as pessoas sem considerar os crimes que cometeram, é amoroso e tolerante seja com quem for. Quando esse juiz será capaz de chegar a um veredicto justo? Durante os últimos dias, só o julgamento justo pode classificar o homem e trazê-lo para um novo reino. Dessa forma, toda a era é levada a um fim através do justo caráter de Deus de julgar e castigar.

de ‘A visão da obra de Deus (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando Deus Se torna carne desta vez, Sua obra é expressar Seu caráter, primeiramente por meio de castigo e julgamento. Usando isso como fundamento, Ele traz mais verdade ao homem, mostra mais caminhos de prática e assim alcança Seu objetivo de conquistar o homem e salvá-lo de seu caráter corrupto. Isso está por trás da obra de Deus na Era do Reino.

de ‘Prefácio’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando o estrondo dos sete trovões for emitido, haverá a salvação daqueles que Me amam, que Me desejam de todo coração. Todos os que pertencem a Mim e que Eu predestinei e escolhi são capazes de estar sob o Meu nome. Eles conseguem ouvir a Minha voz, que é o chamado de Deus. Que aqueles que estão nos confins da terra vejam que Eu sou justo, que Eu sou fiel, que Eu sou amor, que Eu sou compaixão, que Eu sou majestade, que Eu sou fogo devastador e que, enfim, Eu sou julgamento sem misericórdia.

Que todos no mundo vejam que Eu sou o Próprio Deus real e completo. Todos os homens estão sinceramente convencidos e nenhum deles ousa resistir a Mim de novo, julgar-Me ou mais uma vez Me difamar. Caso contrário, serão imediatamente alvo de maldição e desastres cairão sobre eles. Apenas chorarão e rangerão os dentes e provocarão sua própria destruição.

Que todos os povos saibam e que seja conhecido até os confins do universo; que toda e qualquer pessoa saiba. Deus Todo-Poderoso é o único Deus verdadeiro; todos virão, um após o outro, se ajoelhar para O adorar e até as crianças que acabaram de aprender a falar exclamarão “Deus Todo-Poderoso”!

de ‘Capítulo 35’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”

É assim que nesta era final Meu nome será engrandecido entre as nações gentias, que Meus feitos serão vistos pelos gentios e eles Me chamarão de o Todo-Poderoso por causa de Minhas ações, e que Minhas palavras possam logo acontecer. Eu farei com que todas as pessoas saibam que Eu não sou apenas o Deus dos israelitas, mas também o Deus de todas as nações dos gentios, mesmo aqueles que Eu amaldiçoei. Eu vou deixar todas as pessoas verem que Eu sou o Deus de toda a criação. Esta é a Minha maior obra, o propósito do Meu plano de obra para os últimos dias e a única obra a ser cumprida nos últimos dias.

de ‘A obra de difundir o evangelho é também a obra de salvar o homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Conteúdo Relacionado