Dia após dia numa prisão do PCC

Por Yang Yi, China

Deus Todo-Poderoso diz: “Em muitos lugares, Deus profetizou que Ele ganhará um grupo de vencedores na terra de Sinim. Já que é no Oriente do mundo que os vencedores devem ser ganhos, o local em que Deus finca o pé em Sua segunda encarnação é sem dúvida a terra de Sinim, o local exato em que o grande dragão vermelho descansa enrolado. Lá, Deus ganhará os descendentes do grande dragão vermelho para que ele seja completamente derrotado e envergonhado. Deus vai despertar essas pessoas, cujo fardo de sofrimento é tão pesado, vai acordá-las até que estejam completamente sem sono e fazê-las sair do nevoeiro e rejeitar o grande dragão vermelho. Elas despertarão de seu sonho, reconhecerão o grande dragão vermelho pelo que ele realmente é, se tornarão capazes de entregar seu coração inteiro a Deus, se insurgirão contra a opressão das forças das trevas, se levantarão no Oriente do mundo e se tornarão prova da vitória de Deus. Só dessa maneira Deus ganhará glória” (‘Obra e entrada (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Era 23 de janeiro de 2004 (o segundo dia do ano novo chinês). Eu precisava sair para visitar uma irmã da igreja que estava com problemas e precisava de ajuda urgente. Como ela morava muito longe, eu tive de acordar cedo para pegar um táxi e poder voltar no mesmo dia. Saí de casa quando estava clareando. Não tinha quase ninguém nas ruas, só os trabalhadores que recolhiam o lixo. Procurei um táxi ansiosamente, mas não havia nenhum. Fui até um ponto de táxi para esperar e acenei do meio-fio quando vi um carro vindo — mas acabou que era um veículo da Agência de Proteção Ambiental. Perguntaram por que eu tinha acenado para eles. “Me desculpem, foi um engano, pensei que fosse um táxi”, eu disse. “Achamos que você estava afixando cartazes ilegais”, eles responderam. “Vocês me viram fazendo isso? Onde estão os cartazes que eu estava afixando?”, eu disse. Sem me darem chance de defesa, os três se adiantaram e revistaram minha sacola à força. Vasculharam tudo na minha sacola — uma cópia de um sermão, um bloco de anotações, carteira, celular, um pager que eu nem usava mais etc. Depois, olharam melhor a cópia do sermão e o bloco de anotações. Vendo que não havia cartazes na minha sacola, eles ergueram a cópia do sermão e disseram: “Você pode não estar afixando cartazes ilegais, mas acredita em Deus Todo-Poderoso”. Em seguida, ligaram para a Divisão de Religião da Brigada de Segurança Nacional. Logo depois, chegaram quatro pessoas da Brigada de Segurança Nacional. Assim que viram as coisas na minha sacola, souberam que eu era uma crente em Deus Todo-Poderoso. Sem me deixar dizer nada, me enfiaram no veículo deles e trancaram a porta para impedir que eu fugisse.

Quando chegamos à Secretaria de Segurança Pública, os policiais me conduziram a uma sala. Um deles fuçou no meu pager e no celular, procurando pistas. Ele ligou o telefone, mas este indicava bateria fraca e então a bateria descarregou completamente. Por mais que tentasse, não conseguiu ligá-lo. Segurando o telefone, ele parecia preocupado. Também fiquei surpresa — acabara de carregar o telefone naquela manhã. Como podia estar sem energia? De repente, entendi que Deus havia providenciado aquilo milagrosamente para impedir que a polícia descobrisse quaisquer informações sobre outros irmãos e irmãs. Também entendi as palavras ditas por Deus: “Todas as coisas, vivas ou mortas, vão se transformar, mudar, se renovar e desaparecer de acordo com os pensamentos de Deus. Tal é a maneira pela qual Deus preside sobre todas as coisas” (‘Deus é a fonte da vida do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”). É verdade, todas as coisas e todos os acontecimentos estão nas mãos de Deus. Vivas ou mortas, todas as coisas passam por mudanças segundo os pensamentos de Deus. Nesse momento, ganhei um entendimento verdadeiro de como Deus detém a soberania sobre todas as coisas e as orquestras. Além disso, ganhei a confiança necessária para contar com Deus e enfrentar o interrogatório que viria. Apontando para as coisas na sacola, o policial perguntou em tom de acusação: “Essas coisas mostram claramente que você não é um membro qualquer da igreja. Você deve ser um dos líderes seniores, alguém importante, pois os líderes juniores não têm pager nem celular. Estou certo?”. “Não entendo o que você está dizendo”, respondi. “Você está fingindo que não entende!”, ele gritou, depois mandou que eu me agachasse e começasse a falar. Vendo que eu não ia colaborar, eles me cercaram e começaram a me socar e chutar — como se quisessem me matar. Com o rosto ensanguentado e inchado, com uma dor insuportável no corpo todo, desabei no chão. Eu estava enfurecida. Queria argumentar com eles, discutir o meu caso: o que fiz de errado? Por que me bateram assim? Mas não tinha como falar sensatamente com eles, porque o governo do PCC não fala com sensatez. Estava confusa, mas não queria ceder diante da surra deles. Justamente quando me sentia perdida, de repente pensei, já que aqueles policiais malignos do governo do PCC estavam sendo tão absurdos, já que não estavam me deixando argumentar racionalmente, eu não precisava dizer nada a eles. Era melhor ficar em silêncio — desse modo, eu não seria útil para eles. Quando pensei nisso, parei de prestar atenção ao que estavam dizendo. Vendo que aquela abordagem não funcionava comigo, os policiais malignos se enfureceram e se tornaram ainda mais bárbaros: recorreram à tortura para extrair uma confissão. Eles me algemaram em uma cadeira de metal aparafusada ao chão em tal posição que eu não conseguia nem me agachar nem ficar de pé. Um deles colocou minha mão sem algema na cadeira e bateu nela com um sapato, parando só quando o dorso da minha mão ficou preto-azulado, enquanto outro pisava nos meus pés com seus sapatos de couro, girando-os sobre os meus dedos para esmagá-los, quando então senti uma dor aguda e inacreditável que foi direto até meu coração. Depois disso, seis ou sete policiais se revezaram. Um deles se concentrou nas minhas articulações e as comprimiu com tanta força que um mês depois eu ainda não conseguia dobrar o braço. Outro agarrou meu cabelo e balançou minha cabeça de um lado para o outro, depois a puxou para trás de modo que eu ficasse olhando para cima. “Olhe para o céu e veja se existe um Deus!”, disse ele brutalmente. Eles continuaram até o anoitecer. Vendo que não arrancariam nada de mim e como era o ano novo chinês, me enviaram diretamente para a casa de detenção.

Quando cheguei à casa de detenção, um guarda ordenou que uma prisioneira tirasse todas as minhas roupas e as jogasse na lata do lixo. Depois, me fizeram vestir um uniforme da prisão sujo e fedido. Os guardas me colocaram em uma cela e então mentiram para as outras presas, dizendo: “Ela fez de tudo para acabar com a família das pessoas. Muitas famílias foram arruinadas por ela. Ela é uma mentirosa, engana pessoas honestas e perturba a ordem pública…”. Assim, enganadas pelos guardas, todas as outras presas disseram que eu estava ficando impune muito fácil e que a única coisa boa para alguém tão ruim quanto eu era o pelotão de fuzilamento! Ouvir isso me enfureceu — mas não havia nada que eu pudesse fazer. Minhas tentativas de resistir tinham sido inúteis, trouxeram só mais tortura e selvageria. Na casa de detenção, os guardas faziam as presas recitar as regras todo dia: “Confesse seus crimes e submeta-se à lei. Não é permitido incitar as pessoas a cometer crimes. Não é permitido formar gangues. Não é permitido lutar. Não é permitido ameaçar ou insultar as outras. Não é permitido fazer acusações falsas contra outras. Não é permitido pegar alimentos ou objetos de outras. Não é permitido divertir-se à custa de outras. As intimidações na prisão serão reprimidas. Qualquer violação das regras deve ser relatada imediatamente aos agentes ou inspetores penitenciários. Você não deve esconder os fatos nem tentar proteger as presas que violarem os regulamentos, e as regras da prisão devem ser implementadas de maneira humana…”. Na realidade, os guardas incentivavam as outras presas a me atormentar, permitindo que se divertissem comigo todos os dias: quando fazia 8 ou 9 graus abaixo de zero, elas molhavam meus sapatos; escondidas, jogavam água na minha comida; à noite, quando eu estava dormindo, encharcavam minha jaqueta acolchoada de algodão; me faziam dormir ao lado do banheiro e muitas vezes tiravam minha colcha à noite e puxavam meu cabelo para não me deixar dormir; roubavam meus pães cozidos a vapor; me obrigavam a limpar o banheiro e enfiavam os remédios que sobravam na minha garganta, não me deixavam fazer as minhas necessidades… Se eu não fizesse o que dissessem, elas se uniam em bando e me batiam — e em muitas dessas ocasiões os agentes ou inspetores penitenciários saíam rápido de vista ou fingiam não ter visto nada; às vezes até se escondiam por perto e observavam. Se as presas passassem alguns dias sem me atormentar, os oficiais correcionais as incitariam a me bater. O tormento brutal dos guardas me encheu de ódio por eles. Se eu não tivesse testemunhado isso com os próprios olhos e experimentado pessoalmente, nunca acreditaria que o governo do PCC, que era para ser cheio de benevolência e moralidade, pudesse ser tão sombrio, temeroso e horrendo — eu nunca teria visto sua face verdadeira, uma face enganosa e dúplice. Toda essa conversa sobre “servir o povo, criar uma sociedade civilizada e harmoniosa” — essas são as mentiras engendradas para enganar e ludibriar o povo, são um meio, uma fraude, de embelezar-se e ganhar elogios que não merece. Naquele momento, pensei nas palavras de Deus: “Portanto, não é de surpreender que Deus encarnado continue completamente escondido: em uma sociedade obscura como esta, onde os demônios são impiedosos e desumanos, como o rei dos demônios, que mata pessoas sem piscar um olho, poderia tolerar a existência de um Deus que é amável, bondoso e também santo? Como poderia aplaudir e comemorar a chegada de Deus? Lacaios! Retribuem bondade com ódio, há muito desdenham de Deus, abusam de Deus, são selvagens ao extremo, não têm a menor consideração por Deus, saqueiam e pilham, perderam toda a consciência, contrariam toda consciência e tentam os inocentes à insensatez. Ancestrais dos antigos? Líderes adorados? Todos eles se opõem a Deus! Sua interferência deixou tudo que está debaixo do Céu em estado de escuridão e caos! Liberdade religiosa? Direitos e interesses legítimos dos cidadãos? São todos truques para encobrir o pecado!” (‘Obra e entrada (8)’ em “A Palavra manifesta em carne”). Para me obrigar a negar e trair Deus, o PCC não parou por nada em me torturar e me devastar — mas mal sabia ele que, quanto mais me torturava, mais claramente eu via sua face diabólica, mais o desprezava e o rejeitava das profundezas do meu coração. Eu estava mais decidido a seguir a Deus.

Vendo que não iam conseguir que eu dissesse algo que queriam, eles não pouparam despesas — seja em termos de força de trabalho ou em recursos materiais e financeiros —, fazendo de tudo em busca de provas de que eu era uma crente em Deus. Três meses depois, todas as investidas resultaram em nada. No fim, jogaram sua carta-trunfo: encontraram um interrogador especialista. Disseram que todos que eram levados a ele eram sujeitos a suas três formas de tortura e ninguém jamais deixara de confessar. Um dia, quatro policiais chegaram e me disseram: “Hoje estamos levando você para um novo lar”. Em seguida, me empurraram para uma van de transporte de presos, algemaram minhas mãos nas costas e puseram um capuz na minha cabeça. Eu não sabia como eles planejavam me torturar, então me senti um pouco nervoso. Só então, pensei nas palavras do Senhor: “Pois, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á” (Mateus 16:25). As palavras do Senhor me deram fé e força. Se queremos acreditar e seguir Deus na cidade fantasma da China, devemos ter a coragem de oferecer nossas vidas. Eu estava preparada para morrer por Deus. Para minha surpresa, depois de entrar na van, sem querer, ouvi uma conversa entre os policiais malignos. Parecia que estavam me levando a outro lugar para ser interrogada. Ah! Eles não estavam me levando para ser executada — e eu estava me preparando para morrer como mártir por Deus! Enquanto pensava nisso, por algum motivo desconhecido, um dos policiais apertou os cordões do capuz na minha cabeça. Logo depois, comecei a me sentir incomodada — parecia que estava sendo sufocada. Fiquei me perguntando se eles realmente iam me torturar até a morte. Naquele momento, pensei em como os discípulos de Jesus tinham se sacrificado para espalhar o evangelho. Eu não ia ser covarde. Mesmo que morresse, eu não imploraria para que o afrouxassem, muito menos admitiria a derrota. Mas não consegui me controlar: desmaiei e caí em cima deles. Vendo o que estava acontecendo, a polícia rapidamente afrouxou o capuz. Comecei a espumar pela boca e depois não consegui parar de vomitar. Parecia que eu ia vomitar todas as entranhas. Fiquei zonza, a cabeça vazia, e não conseguia abrir os olhos. Não tinha força em nenhuma parte do meu corpo, como se eu estivesse paralisada. Parecia que havia algo viscoso na minha boca que eu não conseguia tirar. Sempre fui frágil e, depois de ser abusada assim, senti que estava em apuros e que poderia parar de respirar a qualquer momento. Em meio à dor, orei a Deus: “Ó Deus! Não importa se eu viva ou morra, estou disposta a obedecer a Ti. Peço que protejas meu coração, de modo que eu possa me submeter a tudo que Tu orquestrar e arranjar”. Algum tempo depois, a van chegou a um hotel. Naquela hora, meu corpo inteiro estava fraco e eu não conseguia abrir os olhos. Eles me carregaram para uma sala fechada. Tudo que eu conseguia ouvir era o som de muitos asseclas do governo do PCC parados ao redor falando sobre mim, dizendo que me ver era ver como Liu Hulan tinha sido. “Que surpreendente, que impressionante!”, eles disseram. “Ela é ainda mais durona que Liu Hulan!” Ouvindo isso, meu coração disparou de emoção. Vi que, me apoiando na fé e confiando em Deus, definitivamente haveria vitória sobre Satanás, que Satanás estava sob os pés de Deus! Agradeci e louvei a Deus. Nesse momento, esqueci a dor. Senti-me tremendamente gratificada por estar glorificando a Deus. Logo depois, chegou o “especialista em interrogatórios” de que a polícia havia falado. Assim que entrou, ele gritou: “Onde está aquela cadela estúpida? Deixe-me dar uma olhada!”. Ele se colocou à minha frente e me agarrou. Depois de me esbofetear dezenas de vezes, me deu vários socos firmes no peito e nas costas, depois tirou um de seus sapatos de couro e bateu no meu rosto com ele. Depois de ser espancada por ele desse jeito, perdi a sensação de que havia algo que eu não conseguia tirar da boca ou do estômago. Não me sentia mais tão zonza e conseguia abrir os olhos. A sensibilidade foi voltando aos poucos nos meus braços e pernas e meu corpo começou a recuperar a força. Depois, ele me agarrou pelos ombros e me empurrou contra a parede, mandando que olhasse para ele e respondesse às suas perguntas. Vendo que eu não estava prestando atenção, ele se enfureceu e tentou conseguir uma reação minha caluniando e difamando a Deus, blasfemando contra Deus. Usou os meios mais vis e desprezíveis para me enredar e disse de modo ameaçador: “Estou atormentando você de propósito com o que é insuportável para sua carne e alma, para fazer você sofrer a dor que nenhuma pessoa normal conseguiria sofrer — você vai desejar ter morrido. No fim, vai implorar para deixá-la ir, e é aí que você vai falar com sensatez e dizer que seu destino não está nas mãos de Deus — está nas minhas. Se eu quiser que você morra, isso acontecerá na mesma hora. Se quiser que viva, você viverá, e qualquer dor que eu quiser que você sofra, é isso que você sofrerá. Seu Deus Todo-Poderoso não pode salvá-la — você só viverá se implorar para ser salva por nós”. Confrontada com esses criminosos desprezíveis, desavergonhados e vis, esses animais selvagens, esses demônios malignos, eu realmente quis lutar contra eles. “Todas as coisas no céu e na terra são criadas por Deus e controladas por Ele”, pensei. “Meu destino também está sujeito à soberania e aos arranjos de Deus. Deus é o Árbitro da vida e da morte; você acha que vou morrer só porque você quer que eu morra?” Naquele momento, meu coração se encheu de fúria. Todos os atos desprezíveis que os policiais haviam cometido contra mim e todas as blasfêmias e coisas que resistem a Deus que eles disseram hoje expuseram claramente a substância demoníaca deles como inimigos da verdade e antagonistas de Deus, e essa seria a prova necessária para garantir a condenação, punição e destruição por Deus.

Minha recusa em confessar custou muito prestígio ao suposto especialista. Ele torceu furiosamente um dos meus braços atrás das costas e puxou o outro para trás do meu ombro, depois algemou com força as minhas mãos. Após menos de meia hora, grandes gotas de suor escorriam pelo meu rosto e nos olhos, impedindo-me de abri-los. Vendo que eu ainda não ia responder às perguntas, ele me jogou no chão, depois me levantou pelas algemas atrás das minhas costas. No mesmo instante, senti uma dor violenta nos braços, como se tivessem sido quebrados. Doía tanto que eu mal conseguia respirar. Em seguida, ele me atirou contra a parede e me fez ficar encostada nela. O suor embaçava os meus olhos. A dor era tanta que todo o meu corpo ficou coberto de suor — até os sapatos estavam encharcados. Eu sempre fui frágil e, nesse momento, desmaiei. Tudo que conseguia fazer era respirar pela boca, ofegante. O demônio ficou ao lado, me observando. Eu não sabia o que ele via — talvez estivesse com medo de ser responsabilizado se eu morresse —, mas rapidamente pegou um punhado de lenços de papel para limpar meu suor e depois me deu um copo de água. Ele fez isso a cada meia hora, mais ou menos. Não sei qual era meu estado naquele momento. Creio que era muito assustador, porque só conseguia respirar com a boca aberta; parecia que tinha perdido a capacidade de respirar pelo nariz. Meus lábios estavam secos e rachados, e eu precisava de todas as minhas forças só para respirar. Senti a morte se aproximar mais uma vez — talvez agora eu realmente morresse. Mas naquele momento, pensei em Lucas, um dos discípulos de Jesus, e em sua experiência de ser enforcado até a morte. Em meu coração, recuperei espontaneamente as forças e continuei dizendo a mesma coisa diversas vezes para me lembrar: “Lucas morreu enforcado. Eu também preciso ser Lucas, preciso ser Lucas, ser Lucas… Obedeço de bom grado às orquestrações e aos arranjos de Deus e desejo ser leal a Deus até a morte, como Lucas”. Assim que a dor se tornou insuportável e eu fiquei à beira da morte, de repente ouvi um dos policiais malignos dizer que vários irmãos e irmãs que acreditavam em Deus Todo-Poderoso haviam sido presos. Em meu coração, fiquei chocada: vários outros irmãos e irmãs seriam torturados. Eles seriam especialmente duros com os irmãos. Meu coração ficou cheio de preocupação. Continuei orando em silêncio por eles. Talvez eu tivesse sido tocada pelo Espírito Santo; quanto mais orava, mais inspirada ficava. Sem perceber, esqueci a dor. Sabia muito bem que esses eram os arranjos sábios de Deus; Deus estava atento à minha fraqueza e me guiava no momento mais doloroso. Naquela noite, não me importava mais como os policiais malignos me tratavam e eu não prestava a menor atenção às perguntas deles. Vendo o que estava acontecendo, a polícia maligna usou os punhos para bater selvagemente em meu rosto, depois enrolou meu cabelo na altura da têmpora ao redor de seus dedos e puxou com violência. As minhas orelhas estavam inchadas por serem torcidas, meu rosto estava irreconhecível, minhas nádegas e coxas ficaram feridas e laceradas quando me bateram com um pedaço grosso de madeira; meus dedos também ficaram preto-azulados após serem esmagados com um pedaço de madeira. Depois de me pendurar pelas algemas por seis horas, quando o policial maligno abriu as algemas, a carne abaixo do polegar esquerdo foi arrancada — havia apenas uma camada fina cobrindo o osso. As algemas também deixaram meus pulsos cobertos de bolhas amareladas e não havia como recolocá-las. Naquele momento, entrou uma policial aparentemente importante. Ela me olhou de cima a baixo e depois disse a eles: “Vocês não podem bater mais nessa aí — parece que está prestes a morrer”. A polícia me trancou em um dos quartos do hotel. As cortinas ficavam bem fechadas vinte e quatro horas por dia. Uma pessoa foi designada para vigiar a porta e ninguém do pessoal de serviço estava autorizado a entrar, nem estava autorizado a ver como me torturavam e barbarizavam lá dentro. Eles se revezaram para me interrogar sem trégua. Por cinco dias e noites, não me deixaram dormir, não me deixaram sentar nem agachar, nem me permitiram comer meu suprimento de comida. Só me permitiam ficar encostada na parede. Um dia, um oficial veio me interrogar. Vendo que eu o ignorava, ele ficou furioso e, com um chute, me mandou voando para debaixo da mesa. Em seguida, me puxou para fora e me deu um soco, fazendo o sangue fluir do canto da minha boca. Para encobrir sua selvageria, ele rapidamente fechou a porta para impedir que alguém entrasse. Depois, arrancou um punhado de lenços de papel e limpou o sangue, lavando meu rosto com água e limpando o sangue do chão. De propósito, deixei cair um pouco de sangue no meu suéter branco. Quando voltei para a casa de detenção, no entanto, a polícia maligna disse às demais presas que o sangue nas minhas roupas era de quando eu estava sendo avaliada no hospital psiquiátrico, disse também que era onde eu tinha passado os últimos dias. As feridas e o sangue no meu corpo foram causados pelos pacientes — eles, os policiais, não tinham me tocado… Esses fatos cruéis me mostraram a brutalidade, a astúcia insidiosa e a desumanidade da “polícia do povo”, ao mesmo tempo, realmente senti a proteção e o cuidado de Deus por mim. A cada vez que a minha dor ficava pior, Deus me iluminava e me guiava, ampliando a minha fé e força, me dando a coragem de testemunhar Dele. Quando a selvageria da polícia maligna me deixou à porta da morte, Deus me permitiu ouvir notícias da prisão de outros irmãos e irmãs, usando isso para me levar a orar ainda mais por eles, de modo que eu esquecesse a minha dor e vencesse sem perceber as pressões da morte. Graças a Satanás agir como o contraste maligno e cruel, vi que só Deus é o caminho, a verdade e a vida, e que só o caráter de Deus é o símbolo da justiça e da bondade. Só Deus governa tudo e arranja tudo, e Ele usou Seu grande poder e sabedoria para me guiar a cada passo a derrotar o cerco das legiões demoníacas, a superar a fraqueza da carne e as pressões da morte, me permitindo com isso sobreviver tenazmente naquele covil sombrio. Conforme pensava no amor e na salvação de Deus, sentia-me muito inspirada, e resolvi lutar com Satanás até o fim. Mesmo que apodrecesse na cadeia, eu continuaria firme no meu testemunho e satisfaria a Deus.

Após tentar tudo que podia, a polícia maligna não tirou nada de mim. No fim, eles disseram com convicção: “O PCC é feito de aço, mas aqueles que acreditam em Deus Todo-Poderoso são feitos de diamante — são melhores que o PCC em todos os aspectos”. Depois de ouvir essas palavras, não pude deixar de me alegrar e louvar a Deus em meu coração: “Ó Deus, Te agradeço e Te louvo! Com Tua onipotência e sabedoria, venceste Satanás e derrotaste Teus inimigos. És a mais alta autoridade e que toda glória seja dada a Ti!”. Só nesse momento vi que, por mais cruel que o governo de PCC seja, ele é controlado e orquestrado pelas mãos de Deus. Exatamente como dizem as palavras de Deus: “Todas as coisas nos céus e na terra devem ficar sob o domínio Dele. Elas não podem ter escolha e todas devem submeter-se às orquestrações Dele. Isso foi decretado por Deus, e é a autoridade de Deus” (‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Um dia, a polícia maligna veio me interrogar de novo. Dessa vez, todos pareciam meio estranhos. Olhavam para mim enquanto falavam, mas não pareciam estar falando comigo. Pareciam estar discutindo algo. Como os anteriores, esse interrogatório acabou em fracasso. Mais tarde, a polícia maligna me levou de volta à cela. No caminho, de repente, os ouvi dizendo que parecia que eu seria solta no primeiro dia do mês seguinte. Ouvindo isso, meu coração quase explodiu de emoção: “Significa que sairei daqui a três dias!”, pensei. “Finalmente posso ir embora desse inferno demoníaco!” Dissimulando a alegria em meu coração, eu esperava e aguardava cada segundo que passava. Três dias pareceram mais como três anos. Finalmente, chegou o primeiro dia do mês! Nesse dia, fiquei de olho na porta, esperando alguém chamar meu nome. A manhã passou e nada aconteceu. Pus todas as minhas esperanças em sair à tarde — mas, quando a noite chegou, nada aconteceu. Quando chegou a hora da refeição noturna, não senti vontade de comer. Tive uma sensação de perda em meu coração; naquele momento, parecia que meu coração tinha despencado do céu para o inferno. “Por que ela não está comendo?”, perguntou o agente penitenciário para as outras presas. “Ela não tem comido bem desde que voltou do interrogatório naquele dia”, respondeu uma das presas. “Ponha a mão na testa dela; ela está doente?”, falou o agente penitenciário. Uma presa veio e sentiu a minha testa. Disse que estava muito quente, que eu estava com febre. De fato, estava. A doença tinha vindo de forma muito súbita e era bem grave. Nesse momento, eu desmaiei. No transcorrer de duas horas, a febre foi piorando cada vez mais. Eu chorei! Todos, incluindo o agente penitenciário, me viram chorar. Todos ficaram desconcertados: a visão que tinham de mim era a de alguém que nem era seduzido pela cenoura nem intimidado pela vara, que não tinha derramado uma única lágrima ao enfrentar uma tortura grave e que fora pendurado pelas algemas por seis horas sem um gemido. Mas, hoje, sem tortura alguma, eu chorei. Eles não sabiam de onde vinham as minhas lágrimas — simplesmente pensaram que eu devia estar muito doente. De fato, só Deus e eu sabíamos o motivo. Era tudo por causa da minha rebeldia e desobediência. Aquelas lágrimas corriam pelo desespero que senti quando as minhas expectativas deram em nada e as minhas esperanças foram frustradas. Eram lágrimas de revolta e ressentimento. Naquele momento, eu não queria mais firmar a minha resolução de dar testemunho de Deus. Não tinha coragem de ser testada assim outra vez. Naquela noite, chorei lágrimas de angústia, porque não aguentava mais a vida na prisão e desprezava aqueles demônios — e, mais que isso, odiava estar naquele lugar terrível. Não queria passar mais um segundo ali. Quanto mais pensava nisso, mais desanimada eu ficava e mais tinha um sentimento forte de desgosto, infelicidade e solidão. Sentia-me como um barco solitário no mar, que podia ser engolido pela água a qualquer momento; mais ainda, sentia que as pessoas que me cercavam eram tão traiçoeiras e horríveis que podiam descarregar sua raiva em mim a qualquer momento.

Eu orei a Deus continuamente, e essas palavras Dele me ocorreram: “Para quem aspira amar a Deus não existem verdades inalcançáveis nem justiça pela qual não possa se manter firme. Como você deve viver sua vida? Como deve amar a Deus e usar esse amor para satisfazer Seu desejo? Não existe assunto mais importante do que esse para a sua vida. Acima de tudo, você deve ter tais aspirações e perseverança, e não pode ser como aqueles que não têm espinha dorsal, que são fracotes. Você deve aprender a experimentar uma vida com sentido e experimentar verdades com sentido, e não deve tratar a si mesmo de modo superficial dessa maneira” (‘As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me deram fé. Pensei em como eu tinha jurado solenemente diante de Deus que, não importando o quanto sofresse, eu daria testemunho e envergonharia Satanás. Mas quando estava prestes a encarar tortura policial por muito tempo, perdi minha determinação e esperava apenas pelo dia em que conseguiria escapar daquele lugar miserável. Que tipo de submissão era isso? Que tipo de testemunho era isso? Numa oração a Deus, jurei que, mesmo que isso significasse passar a minha vida inteira na prisão, eu jamais cederia a Satanás. Eu daria testemunho e humilharia Satanás. Então, em 6 de dezembro de 2005, eu fui liberta, pondo um fim àquela vida infernal na prisão.

Após experimentar essa prisão e perseguição, apesar de minha carne ter suportado algumas dificuldades, eu desenvolvi percepção e discernimento e verdadeiramente vi que o governo do PCC é a personificação de Satanás, o diabo, um bando de assassinos que mataria pessoas sem piscar um olho, como também passei a entender a onipotência e a sabedoria de Deus, assim como Sua justiça e santidade; passei a apreciar as boas intenções de Deus em me salvar e Seu cuidado e proteção para comigo, permitindo-me assim, durante a selvageria de Satanás, superar Satanás um passo de cada vez e continuar firme em meu testemunho. Desse dia em diante, desejo entregar meu ser inteiro completamente a Deus e seguirei a Deus com dedicação, para que eu possa ser ganha por Ele o mais rápido possível.

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.
Conecte-se conosco no Messenger
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo Relacionado