Embarcando na senda da crença em Deus

Rongguang Cidade de Harbin, Província de Heilongjiang

Em 1991, pela graça de Deus, comecei a seguir Deus Todo-Poderoso por causa de uma doença. Naquela época, eu não sabia nada sobre a crença em Deus, mas o interessante é que, ao comer e beber das palavras expressadas por Deus Todo-Poderoso, eu me regozijava. Eu sentia que as palavras Dele eram boas e, quando cantava ou orava, com frequência o Espírito Santo me comovia ao ponto de me levar às lágrimas. Essa doçura em meu coração, esse regozijo, era como se um evento feliz houvesse vindo sobre mim. Em especial em reuniões durante a grande obra do Espírito Santo, eu sentia como se houvesse transcendido a carne e estivesse vivendo no terceiro céu, que tudo pertencente ao mundo houvesse sido varrido pelos ventos. Não consigo expressar o tamanho da alegria e da felicidade em meu coração. Eu sentia como se fosse a pessoa mais feliz do mundo. Então, naquela época, eu acreditava que crer em Deus era apenas desfrutar da graça Dele.

Quanto mais as palavras de Deus eram expressadas (na época, elas eram enviadas continuamente para a igreja, trecho após trecho), eu também passei a ter cada vez mais conhecimento. Então, eu não me realizava mais ao simplesmente desfrutar da graça de Deus. Quando vi “os filhos primogênitos” mencionados nas palavras Dele, e descobri que Deus concede grandes bênçãos aos Seus filhos primogênitos, busquei me tornar um, na esperança de que, no futuro, eu pudesse reinar junto a Deus. Depois, quando vi nas palavras Dele que o Seu tempo estava próximo, senti cada vez mais a urgência e pensei: comecei a acreditar em Deus tarde demais. Serei incapaz de receber essa bênção? Preciso me esforçar mais nisso. Então, quando a casa de Deus arranjou para que eu cumprisse um dever, eu era muito proativo. Não tinha medo das dificuldades. Decidi renunciar a tudo para seguir a Deus de modo que eu fosse capaz de obter a bênção de ser um filho primogênito. Na verdade, Deus nunca disse de modo definitivo em Suas palavras que deveríamos ser filhos primogênitos. Apenas porque éramos ambiciosos e tínhamos desejos extravagantes, acreditávamos que, como Deus havia nos chamado de Seus “filhos” e que agora havia nos elevado, certamente nós nos tornaríamos os primogênitos. Foi assim que acreditei que eu tinha me tornado, é claro, um filho primogênito. Depois, vi as palavras de Deus que tinham sido liberadas, que mencionavam com frequência “os servidores”, e havia cada vez mais menções ao julgamento deles. Pensei comigo mesmo: por sorte estou seguindo Deus Todo-Poderoso, caso contrário, eu me tornaria um servidor. Quando li as bênçãos e promessas de Deus para os filhos primogênitos, acreditei que uma parte daquilo seria minha. Ao ler as palavras de conforto e exortação Dele para Seus primogênitos, também senti que eram endereçadas a mim. Senti-me ainda mais feliz quando vi o seguinte: “Os grandes desastres certamente não recairão sobre Meus filhos, Meus bem-amados. Cuidarei dos Meus filhos a cada minuto e a cada segundo. Vocês certamente não sofrerão dor nem padecimentos; em vez disso, é em nome da perfeição de Meus filhos e da realização da Minha palavra neles, de tal modo que vocês possam reconhecer Minha onipotência, crescer na vida ainda mais, repartir os fardos Comigo mais cedo, e dedicar a totalidade de seu ser à conclusão do Meu plano de gestão. Vocês devem ficar contentes e felizes e se regozijar por causa disso. Eu lhes entregarei tudo, permitindo que vocês assumam o controle. Eu o colocarei nas mãos de vocês. Se um filho herda todos os bens do pai, quanto mais haverá para vocês, Meus filhos primogênitos? Vocês são verdadeiramente abençoados. Em vez de sofrer com os grandes desastres, vocês gozarão de bênçãos eternas. Que glória! Que glória!” (de ‘Capítulo 68’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Pensei: estou sonhando? Esse incrível maná do céu pousou sobre mim? Eu não ousava acreditar completamente nisso, mas tinha medo que meus irmãos e irmãs dissessem que a minha fé era pequena demais, então não me atrevi a não acreditar nisso.

Um dia, fui animado participar de uma reunião e vi que dois líderes tinham vindo à igreja. Quando eu estava comungando com eles, eles disseram que eram servidores. Depois de ouvir isso, fiquei estupefato e perguntei a eles: “Se vocês são servidores, não somos todos nós?” Eles falaram a verdade sem ocultá-la: “Quase todos nós na China somos servidores”. Ao ouvi-los dizer isso, o meu coração ficou triste. Não era possível! Essa era a verdade? Mas quando vi as expressões pesadas e sofridas deles e que os rostos dos outros também estavam sombrios, não tive como não acreditar. Mas então mudei de ideia e pensamento: como líderes, eles haviam aberto mão de suas famílias e carreiras, tinham sofrido tanto e pagado um alto preço pela obra de Deus. Em comparação a eles, ainda me faltava muito. Se eles eram servidores, o que mais eu podia dizer? Um servidor é um servidor. Assim, naquela época, não me senti tão mal.

Depois de ir para casa, mais uma vez peguei a palavra de Deus e olhei o que Ele tinha a dizer sobre os servidores, e vi isso: “Os que prestam serviço a Mim, ouçam! Vocês podem receber parte da Minha graça quando fazem serviço para Mim. Quer dizer, por algum tempo vocês saberão da Minha obra posterior e das coisas que acontecerão no futuro, mas vocês absolutamente não irão desfrutar disso. Essa é a Minha graça. Quando seu serviço estiver completo, saiam imediatamente e não se demorem. Os que são Meus filhos primogênitos não devem ser arrogantes, mas vocês podem ser orgulhosos, pois Eu os cobri com bênçãos intermináveis. Os que são alvos de destruições não devem atrair problemas para si nem lamentar seu destino; quem o tornou um descendente de Satanás? Depois de ter feito seu serviço para Mim, você pode novamente voltar para o abismo sem fundo porque não terá mais uso para Mim e Eu começarei a lidar com vocês com Meu castigo. Assim que começo Minha obra Eu nunca paro; o que Eu faço será realizado e o que Eu realizo durará para sempre. Isso se aplica aos Meus filhos primogênitos, Meus filhos, Meu povo, e serve para vocês também —; Meus castigos para vocês são perenes” (de ‘Capítulo 86’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Assim que li essas palavras, fui assolado por um sofrimento como nunca tinha sentido antes. Rapidamente fechei o livro das palavras de Deus e não ousei mais olhar para elas. Em um instante, sentimentos de insatisfação, confusão e descontentamento inundaram o meu coração de uma só vez. Pensei: ontem, eu estava pleno de alegria, mas hoje fui expulso da casa de Deus. Ontem, eu era o filho de Deus, mas hoje me tornei inimigo de Deus, um descendente de Satanás. Ontem, as bênçãos ilimitadas de Deus me aguardavam, mas hoje o poço sem fundo é o meu destino e serei punido por toda a eternidade. Se Ele não está concedendo bênçãos, não tem problema, mas por que Ele ainda tem de me castigar? O que fiz de errado? Para que tudo isso? Eu não estava disposto a encarar essa realidade. Era incapaz de encarar esse tipo de realidade. Fechei os meus olhos e não queria pensar mais sobre isso. Torci muito para que isso fosse apenas um sonho.

Daquele ponto em diante, assim que eu me imaginava como um servidor, sentia uma dor indescritível em meu coração e não ousava ler as palavras de Deus novamente. Mas Deus é muito sábio e as palavras Dele que castigam e revelam as pessoas são não apenas permeadas de mistério, mas também há profecias sobre a catástrofe futura, bem como a visão do reino e temas semelhantes. Tudo isso eram coisas sobre as quais eu queria saber, então, ainda assim, eu não podia dar as costas às palavras Dele. Ao lê-las, Suas palavras afiadas perfuraram repetidas vezes o meu coração e eu não pude deixar de aceitar o Seu julgamento e castigo. Senti que a ira majestosa do julgamento de Deus estava sempre sobre mim. Além do sofrimento, eu sabia a verdade real sobre eu ter sido corrompido por Satanás. Acontece que eu era o filho do grande dragão vermelho, descendente de Satanás e o alvo da destruição. Em desespero, eu não ousava ter a ganância de esperar qualquer bênção e estava disposto a aceitar a predestinação de Deus de que eu era um servidor. Quando senti que eu podia me dedicar a ser um servidor, Deus mais uma vez arranjou um ambiente e revelou o caráter corrupto que estava oculto em mim. Um dia, lendo as palavras de Deus, vi: “Depois de Eu ter retornado a Sião, os que estão na terra continuarão a Me louvar, como no passado. Os servidores leais continuam esperando para prestar serviço a Mim, mas sua função terá chegado ao fim. O melhor que podem fazer é contemplar a circunstância de Eu estar na terra. Nesse momento, começarei a impor desastres sobre aqueles que sofrerão calamidades, mas, assim como[a] todos creem que Eu sou um Deus justo, certamente não punirei os servidores leais e eles apenas receberão Minha graça” (de ‘Capítulo 120’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Vendo isso, pensei em segredo comigo: não vou mais pensar no direito de nascença do primogênito nem vou querer mais grandes bênçãos. Agora, vou buscar apenas ser um servidor devoto. Essa é a minha única busca agora. No futuro, não importa o que a casa de Deus arranjar para que eu faça, realizarei com o máximo de devoção que puder. Simplesmente não posso perder a oportunidade de ser mais uma vez um servidor devotado. Se eu não for nem mesmo capaz de ser um servidor devotado, mas se for um simples servidor, depois de ter concluído o meu serviço devo voltar ao poço sem fundo ou ao lago de fogo e enxofre. Nesse caso, para que tudo isso? Eu não ousava expressar tal pensamento a ninguém, mas não conseguia escapar da busca dos olhos de Deus. Li as palavras de Deus, que diziam: “Ninguém pode sondar a natureza do homem exceto Eu, e todos pensam que são leais a Mim, sem saber que a lealdade deles é impura. Essas impurezas arruinarão as pessoas porque elas são um esquema do grande dragão vermelho. Ele foi, há muito tempo, exposto por Mim; Eu sou o Deus Todo-Poderoso e Eu não entenderia algo tão simples? Eu sou capaz de penetrar o seu sangue e a sua carne para ver suas intenções. Não é difícil para Mim sondar a natureza do homem, mas as pessoas tentam ser espertinhas, achando que ninguém, senão elas mesmas, conhece suas intenções. Elas não sabem que o Deus Todo-Poderoso existe nos céus e na terra e em todas as coisas?” (de ‘Capítulo 118’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). “A maioria das pessoas agora abriga uma pequena esperança, porém, quando essa esperança se transforma em decepção, elas tornam-se relutantes em ir mais longe e pedem para voltar. Eu disse antes que não mantenho ninguém aqui contra a sua vontade, mas tome o cuidado de pensar em quais serão as consequências para você, e isso é um fato, não o estou Eu ameaçando” (de ‘Capítulo 118’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). Após ler isso, o meu coração estava palpitando. Senti que Deus vê de verdade cada faceta do ser de um homem. Nós pensamos em algo e Deus sabe. Temos alguma esperança secreta em nossos corações e Deus se revolta. Apenas naquele tempo tive um pouco de reverência em meu coração por Deus. Decidi que eu não mais regatearia com Deus, mas que agiria com honestidade como um servidor e obedeceria aos Seus desígnios.

Apenas mais tarde vim a saber que a minha experiência durante esses três meses era a provação dos servidores. Foi a primeira obra de provação que Deus realizou nas pessoas pela Sua palavra. Depois de passar pela provação dos servidores, compreendi que Deus não apenas é um Deus misericordioso e amoroso, mas que é um Deus justo e majestoso, que não tolera as ofensas da humanidade. As palavras Dele contêm autoridade e poder, que não podem deixar de produzir temor no coração do homem. Eu também soube que a humanidade é criação de Deus, que deveríamos acreditar Nele e adorá-Lo. Isso é o que é certo e apropriado. Não precisa haver razões, nem condições, e não deve haver ambição nem desejos extravagantes. Se as pessoas acreditam em Deus para ganhar algo Dele, então esse tipo de crença está explorando-O e trapaceando-O. É uma expressão de falta de consciência e razão. Mesmo se as pessoas acreditarem em Deus, mas não ganharem nada, e depois receberem a punição Dele, elas devem acreditar Nele. A humanidade deve acreditar e obedecer a Deus porque Ele é Deus. Também reconheço que eu mesmo sou um filho do grande dragão vermelho, descendente de Satanás e um daqueles que perecerá. Deus é o Senhor de toda a criação e, independentemente de como Ele me tratar, é merecido. Tudo isso é justo e devo obedecer aos Seus desígnios e arranjos sem impor condições. Não devo tentar argumentar com Ele, e menos ainda resistir a Ele. Relembrando a minha própria estupidez revelada nessa provação, vi como eu era vergonhoso de fato, e eu só queria obter um pouco de status elevado, grandes bênçãos ou até me sentar lado a lado de Deus e governar junto a Ele. Quando vi que eu não receberia as bênçãos que esperava, mas, em vez disso, que eu sofreria uma catástrofe, pensei em trair Deus. Essas demonstrações totalmente óbvias me fizeram ver com clareza que o meu objetivo ao acreditar em Deus era ser abençoado. De maneira evidente, eu estava tentando regatear com Deus. Eu era mesmo vergonhoso, e tinha perdido completamente a razão que uma pessoa deveria ter. Se não fosse por tal sabedoria na obra de Deus — usando a provação dos servidores para me conquistar, para quebrar a minha ambição de receber bênçãos — eu ainda estaria trilhando a senda falsa de buscar bênçãos. Eu não teria compreendido a minha essência corrupta e, especialmente, não teria aceitado com obediência o julgamento e castigo das palavras de Deus. Nesse caso, eu nunca poderia ter sido salvo e aperfeiçoado.

Depois de passar pela provação dos servidores, pensei que eu não ousaria mais acreditar em Deus e cumprir o meu dever para poder receber bênçãos, e pensei que não ousaria mais fazer coisas com a intenção de regatear com Deus. Senti que explorar e trapacear Deus dessa maneira era muito desprezível. Mas, ao mesmo tempo, eu tinha uma compreensão de que o uso que Deus faz dessa provação para salvar a humanidade é a boa intenção Dele, e eu sabia que nenhuma parte Dele odeia o homem. O amor Dele pela humanidade não mudou desde que Ele criou o mundo, então, em meu coração, eu estava disposto a buscar um caminho para satisfazer e recompensar o amor de Deus pela minha fé futura Nele e cumprindo o meu dever. Entretanto, como a intenção de receber bênçãos e regatear com Deus é muito enraizada no coração das pessoas, não é possível solucionar isso completamente ao vivenciar uma única provação. Depois de transcorrido um tempo, essas coisas começam a se mostrar outra vez. Assim, para poder nos conquistar e salvar-nos de modo mais profundo e completo, Ele realiza várias provações sucessivas em nós — a provação dos tempos de castigo, a provação da morte e a provação de sete anos. Dessas provações, a que mais me fez sofrer e pela qual mais fui recompensado foi a provação de sete anos de 1999.

Em 1999, fui eleito um líder da igreja. Isso aconteceu no ano em que o evangelho do reino se expandiu enormemente, e a casa de Deus requeria que tentássemos salvar a todos que tivessem a possibilidade de salvação. Quando vi esse arranjo da casa de Deus, pensei que a obra Dele estaria concluída em 2000. Para poder ganhar mais almas e obter um destino favorável para mim mesmo quando o tempo chegasse, ocupei-me com a obra do evangelho desde cedo da manhã até tarde da noite. Em se tratando da vida da igreja, eu só estava mantendo as aparências e empurrando com a barriga. Embora soubesse que as minhas intenções eram erradas, eu não conseguia controlar o meu desejo de receber bênçãos. Na época, eu estava bastante ocupado e senti que fazer qualquer coisa além da obra do evangelho me atrapalhava, mesmo comer e beber da palavra de Deus. Foi assim que me lancei em um fervor de trabalho e, antes que me desse conta, o ano havia acabado. A casa de Deus selecionou uma pessoa local para ajudar com a obra, então retornei à área da minha cidade natal.

Imaginei que, quando a obra de Deus estivesse concluída, a grande catástrofe ocorreria com certeza, então, depois que voltei para casa, apenas esperei em casa pelo desastre, dia após dia, aguardando o fim da obra de Deus. Quando vi que o Festival da Primavera estava chegando, ocorreu uma comunhão do líder da igreja dizendo que era necessário sofrer sete anos de provação. Após ouvir essa mensagem, senti-me abalado e o meu coração ficou tumultuado. Não pude deixar de argumentar com Deus: outros sete anos estão sobre mim — como é possível viver assim? Ó Deus, eu Te suplico para me extinguir. Realmente não consigo mais suportar esse sofrimento! No dia seguinte, eu ainda não conseguia escapar da minha depressão. Pensei: de qualquer modo, já se passaram sete anos. Amanhã é outro dia — vou sair e tirar isso da minha mente. Assim que embarquei no ônibus, senti o Espírito Santo dentro de mim me repreendendo: na época, você estava buscando com disposição, você tinha pago seu preço e disse que amaria a Deus até o fim, que você jamais O abandonaria, que você suportaria quaisquer dificuldades e compartilharia quaisquer alegrias. Você era um hipócrita que enganou a si mesmo! Diante da repreensão do Espírito Santo, eu não pude deixar de baixar a minha cabeça. Era verdade. Antes, quando desfrutava da graça de Deus, fiz promessas a Ele, mas agora, quando havia dificuldades e eu deveria sofrer, quero voltar atrás na minha palavra. Então não são as minhas promessas apenas mentiras? Deus me deu tanto amor e agora, quando me deparo com um ambiente que não é inteiramente como eu desejo, tenho tanto ressentimento ao ponto de querer dar as costas a Deus. Sou de fato uma besta ingrata, tão baixo quanto um animal! Quando pensei nisso, eu não estava mais com humor para sair e acabei voltando para casa com o coração pesado. Embora eu houvesse sido forçado a ser “obediente”, quando pensei no fato de que ainda teríamos sete anos remanescentes na obra de Deus, deixei o meu coração descansar e tudo que fiz foi sem pressa nem preocupação. Eu me arrastava todos os dias para cumprir a minha função como se fosse apenas mais um dia no calendário. Essa condição negativa e conflituosa fez com que eu perdesse, de maneira gradual, a obra do Espírito Santo, e embora eu quisesse transformar a minha própria condição, eu era incapaz de fazer isso.

Certo dia, quando eu comia e bebia da palavra de Deus, vi as palavras Dele que diziam: “Quando cumpriram seu dever pela primeira vez, algumas pessoas estavam cheias de energia, como se ela jamais fosse se esgotar. Mas como é que, à medida que avançam, elas parecem perder essa energia? A pessoa que elas eram então e a pessoa são agora são como duas pessoas diferentes. Por que elas mudaram? Qual foi a razão? É porque sua fé em Deus seguiu o caminho errado antes de chegar à trilha certa. Elas escolheram a senda errada. Havia algo oculto em sua busca inicial e, num momento-chave, essa coisa emergiu. O que estava oculto? É uma expectativa que jaz no coração delas enquanto creem em Deus, a expectativa de que o dia de Deus chegará em breve, de modo que sua miséria terá fim; a expectativa de que Deus será transfigurado e que todo seu sofrimento acabará” (de ‘Aqueles que perderam a obra do Espírito Santo estão em maior risco’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus fizeram com que eu buscasse a raiz do problema. Aconteceu que eu tinha uma esperança oculta em minhas buscas, esperando que o dia de Deus viesse logo e que eu não sofreria mais, que eu teria um bom destino. Desde o começo, as minhas buscas eram dominadas por essa esperança, e quando a minha esperança não deu em nada, sofri e me desestruturei ao ponto de trair a Deus, até pensando em escapar através da morte. Apenas nesse momento percebi que eu tinha seguido Deus por tantos anos, mas, em essência, não estava buscando o caminho da verdade. Eu tinha sempre o meu olho voltado para o dia de Deus, e eu tinha regateado com Ele para ganhar as Suas bênçãos. Embora naquela época eu permanecesse na casa de Deus e não O abandonasse, se eu não solucionasse essa contaminação dentro de mim, mais cedo ou mais tarde eu resistiria e trairia a Deus. Depois de ver o meu estado perigoso, pedi a Deus em meu coração: o que posso fazer para me livrar da contaminação de esperar pelo dia final? Então, mais uma vez li as palavras de Deus, que diziam: “Você sabia que por acreditar em Deus na China, sendo capazes de passar por esses sofrimentos e desfrutar da obra de Deus, aqueles estrangeiros realmente invejam a todos vocês? Os desejos dos estrangeiros são: nós também queremos experimentar a obra de Deus, sofreremos qualquer coisa por isso. Queremos obter a verdade também! Também queremos ganhar algum discernimento, alguma estatura, mas infelizmente não temos esse ambiente. […] Completar este grupo de pessoas no país do grande dragão vermelho, fazendo-o suportar esse sofrimento, pode ser considerado a maior exaltação de Deus. Foi dito uma vez: ‘Há muito trouxe a Minha glória de Israel para o Oriente’. Todos vocês entendem o significado dessa declaração agora? Como você deve percorrer a senda à frente? Como deve buscar a verdade? Se não busca a verdade, então como você pode obter a obra do Espírito Santo? Depois de perder a obra do Espírito Santo, você estará em maior perigo. O sofrimento presente é insignificante. Sabe o que ele fará por vocês?” (de ‘Aqueles que perderam a obra do Espírito Santo estão em maior risco’ em “Registros das falas de Cristo”). A partir dessas palavras de Deus, pude ver que havia um grande sentido em as pessoas hoje serem capazes de sofrer, mas eu não conseguia apreender qual era o sentido real daquele sofrimento. Eu sabia apenas que, só se eu pudesse ver o sentido do sofrimento, eu seria capaz de transformar de verdade a minha condição de esperar pelo dia de Deus. Esse era um caminho em direção a uma resolução. Embora eu não compreendesse o sentido do sofrimento naquele momento, a única coisa que eu podia fazer era buscar realmente a verdade, buscar mais a verdade, pois, apenas se eu obtivesse a verdade, eu poderia entender de fato o sentido do sofrimento, e apenas então poderia me livrar dessa contaminação dentro de mim.

Como se o tempo houvesse acelerado, pisquei e já estava em 2009. Aqueles sete anos já haviam passado há muito tempo sem que eu me desse conta. Eu tinha chegado até ali e, por fim, sentia que aqueles sete anos não haviam sido tão longos quanto eu tinha imaginado. Naqueles poucos anos, no julgamento revelado nas palavras de Deus, nas revelações dos refinamentos e provações de Deus, eu tinha visto a minha verdadeira face. Eu tinha visto o que eu era, sem tirar nem pôr, um filho do grande dragão vermelho, pois eu estava cheio de seus venenos, tal como o veneno do “não se levante cedo se não houver benefício, o benefício é o mais importante em tudo”. Esse é uma representação clássica da forma do grande dragão vermelho. Sob o domínio desse veneno, a minha crença em Deus era apenas para ser abençoado. O que eu havia despendido por Deus tinha um limite de tempo e eu desejava sofrer pouco e receber grandes bênçãos. Para me livrar dessa forte intenção de ser abençoado e dessa atitude dentro de mim de regatear, Deus realizou várias provações e refinamentos em mim. Apenas então a contaminação da minha crença em Deus foi purificada. E vi dentro das revelações de Deus que eu estava cheio do caráter corrompido de Satanás. Eu era arrogante, trapaceiro, egoísta e desprezível, imprudente e irresoluto. Elas fizeram com que eu visse de maneira cada vez mais clara a minha real natureza, visse que eu tinha sido corrompido profundamente por Satanás, que era o filho do inferno. Que eu pudesse acreditar em Deus e segui-Lo naquela época era, de verdade, a edificação e a graça Dele, e que eu pudesse aceitar que o julgamento e o castigo Dele era uma bênção ainda maior. A minha gratidão por Deus cresceu, as minhas exigências diminuíram, a minha obediência a Ele cresceu e o meu amor por mim mesmo diminuiu. Eu só pedia para ser capaz de jogar fora o meu corrompido caráter satânico e ser uma pessoa que obedece e adora a Deus de verdade. Esse pequeno fruto foi obtido depois de sabe-se lá quantas obras de Deus, incluindo muito de Seu meticuloso esforço. Hoje, vivenciando a obra de Deus, finalmente entendi que a salvação Dele da humanidade de fato não é fácil. A obra Dele é muito prática — a Sua obra de mudança e salvação da humanidade não é tão simples quanto as pessoas possam imaginar. Assim, agora não sou mais como uma criança ingênua, apenas esperando que o dia de Deus venha rapidamente, mas sinto sempre que a minha própria corrupção é profunda demais, que necessito demais da salvação de Deus e da vivência do julgamento e castigo Dele, de Suas provações e refinamentos. Devo possuir agora um pouco da consciência e razão que deveriam estar presentes na humanidade normal, e vivenciar de modo apropriado a obra de Deus de salvação da humanidade. No fim, quando eu puder viver o modelo de uma pessoa verdadeira e receber a alegria de Deus, o meu coração ficará satisfeito. Agora, quando olho para trás e penso no que revelei de mim naqueles sete anos em que provações recaíram sobre mim, sinto que tenho uma grande dívida com Deus, que feri demais o coração Dele. Se a obra de Deus houvesse sido concluída em 2000, eu, que era completamente imundo, decerto teria sido um alvo da destruição. Os sete anos de provações foram, na verdade, a tolerância e a compaixão de Deus por mim e, além disso, foram a salvação mais verdadeira de Deus para mim.

Assim que saí daqueles sete anos, refleti sobre aquelas palavras de Deus que eu não tinha compreendido antes: “Você sabia que por acreditar em Deus na China, sendo capazes de passar por esses sofrimentos e desfrutar da obra de Deus, aqueles estrangeiros realmente invejam a todos vocês? Os desejos dos estrangeiros são: nós também queremos experimentar a obra de Deus, sofreremos qualquer coisa por isso. Queremos obter a verdade também! Também queremos ganhar algum discernimento, alguma estatura, mas infelizmente não temos esse ambiente. […] Completar este grupo de pessoas no país do grande dragão vermelho, fazendo-o suportar esse sofrimento, pode ser considerado a maior exaltação de Deus. Foi dito uma vez: ‘Há muito trouxe a Minha glória de Israel para o Oriente’. Todos vocês entendem o significado dessa declaração agora?” Eu pude entender um pouco do significado dessas palavras. Pude enfim sentir que o sofrimento era de fato significativo. Embora eu tivesse sofrido ao vivenciar tais provações, apenas após sofrer vi que o que eu tinha obtido era muito precioso, muito valioso. Através da vivência dessas provações, vi o caráter justo do Todo-Poderoso e Sua onipotência e sabedoria. Compreendi a benevolência de Deus e provei do amor profundo e paternal Dele por Seus filhos. Também vivenciei a autoridade e o poder nas palavras Dele e vi a verdade da minha própria corrupção por Satanás. Vi as dificuldades de Deus em Sua obra de salvação, que Ele é santo e honrado e que os humanos são feios e desprezíveis. Também vivenciei como Deus conquista e salva a humanidade para trazê-la para o caminho correto da crença Nele. Quando penso nisso agora, se Deus não houvesse realizado essa árdua obra sobre mim provação após provação, não seria possível que eu tivesse tal compreensão. Dificuldades e refinamentos são muito benéficos para o crescimento das pessoas em suas vidas. Através deles, as pessoas podem obter o que há de mais prático e precioso em seu trajeto de crença em Deus — a verdade. Depois de ver o valor e o sentido do sofrimento, não sonho mais em entrar no reino dirigindo um carrão, mas estou disposto a plantar de maneira firme os meus pés no chão e vivenciar a obra de Deus, para buscar realmente a verdade para que ela me transforme.

Ao vivenciar a obra de Deus durante muitos anos, apenas agora tenho um pouco de compreensão prática sobre estas palavras de Deus: “Fé verdadeira em Deus significa experimentar as palavras e a obra de Deus com base na crença de que Deus é soberano sobre todas as coisas. Assim você será libertado de seu caráter corrupto, cumprirá o desejo de Deus e virá a conhecer Deus. Somente por meio de tal jornada se poderá dizer que crê em Deus” (de ‘Prefácio’ em “A Palavra manifesta em carne”). Antes de ter vivenciado essas provações de Deus, eu estava tomado por uma forte intenção de ser abençoado e com uma perspectiva de regatear. Mesmo eu sabendo em princípio o que queria dizer acreditar em Deus e qual era o objetivo da crença Nele, eu ainda só tinha os olhos voltados para ser abençoado. Não me importei com a verdade, não me livrei do meu caráter corrompido para satisfazer a vontade de Deus, nem O reconheci como a meta da minha busca. Apenas naquele momento compreendi que, quando Deus Se tornou carne, a obra principal Dele era resolver a intenção da humanidade de ser abençoada e de sua atitude de regatear. Era porque essas coisas são de fato as pedras de tropeço entre o homem e sua entrada no caminho correto da crença em Deus. Quando essas coisas são abrigadas dentro da humanidade, ela não buscará a verdade. Ela não terá um objetivo correto em sua busca. Ela percorrerá um caminho incorreto. Esse é um caminho que não é reconhecido por Deus. Agora, a obra de Deus de conquista e salvação destruiu a fortaleza de Satanás dentro de mim. Por fim, não sou mais inquieto, não me preocupo mais com pensamentos de receber bênçãos nem de sofrer uma catástrofe. Não busco mais de modo árduo os meus desejos extravagantes e não estou mais discutindo condições nem fazendo exigências para poder escapar da catástrofe. Sem essa contaminação, senti-me mais leve e mais livre. Posso buscar de maneira calma e apropriada a verdade. Esse é o fruto que brotou das provações e refinamentos de Deus Todo-Poderoso. É a obra de Deus Todo-Poderoso de provações e refinamentos que me conduziu ao caminho verdadeiro da crença em Deus. De agora em diante, não importa quantas outras obras de provação Deus realize, não importa o tamanho dos refinamentos dolorosos que eu sofra, obedecerei e aceitarei, e eu os vivenciarei verdadeiramente. Buscarei a verdade neles e alcançarei um caráter livre de corrupção para satisfazer a vontade de Deus, para poder recompensá-Lo pelos muitos anos de dedicado esforço.

Nota de rodapé:

a. O texto original não contém a frase “assim como”.

Conteúdo Relacionado

  • Uma cura para a arrogância

    Zhang Yitao Província de Henan “Ó Deus! Teu julgamento é tão real, cheio de justiça e santidade. Tuas revelações sobre a verdade da corrupção da hu…

  • Julgamento é luz

    Zhao Xia Província de Shandong Meu nome é Zhao Xia. Eu nasci em uma família comum. Devido à influencia de ditados como “assim como uma árvore vive …

  • Finalmente vivo um pouco como um humano

    Xiangwang Província de Sichuan Eu me sinto profundamente castigado em meu coração toda vez que vejo as palavras de Deus dizendo: “Humanidade cruel!…

  • Há grande felicidade na honestidade

    Na minha vida, eu sempre tive como lema a frase: “Não devemos ter no coração a intenção de prejudicar os outros, mas devemos vigiar para não sermos prejudicados” na interação social. Nunca confio facilmente nas pessoas. Sempre senti que nas situações em que não sabemos quais são as verdadeiras intenções de alguém, não devemos nos abrir cedo demais.