A verdadeira razão da obra ineficaz

Xinyi Cidade de Xi’an, Província de Shaanxi

Em minhas visitas recentes às igrejas, ouvi de líderes e obreiros que algumas pessoas, após escutarem as minhas comunhões, tornaram-se pessimistas, fracas e sem motivação para continuar na busca. Outros achavam muito difícil acreditar em Deus e O entendiam mal. Alguns disseram que estavam bem antes de se encontrarem comigo, mas, assim que me viam, sentiam-se tremendamente pressionados e incomodados… Quando ouvi tudo isso, o meu coração ficou apertado e me senti terrivelmente injustiçada. Toda vez que eu chegava para comungar com eles, ficava alguns dias e, para resolver seus problemas, procurava e citava inúmeras passagens da palavra de Deus, falando até ficar com a boca seca, o tempo todo pensando que os meus esforços produziriam bons resultados. Nunca imaginei que as coisas acabariam assim. Por que isso aconteceu? Guardei essa pergunta em meus pensamentos e orei a Deus: “Ó Deus, certamente estou em falta diante do que aconteceu, mas não sei onde eu errei. Suplico a Tua orientação, para que eu possa ficar mais consciente das minhas falhas. Eu desejo receber a Tua iluminação”.

Após terminar a minha oração, comecei a refletir sobre a comunhão com meus irmãos e irmãs: quando eles expressavam problemas com os arranjos do trabalho, eu mostrava a natureza arrogante deles e expunhas as consequências da arrogância, dizendo que toda arrogância inevitavelmente receberia punição. Se via problemas aparecendo no processo eleitoral, eu falava sobre como escolher as pessoas erradas atrasaria a obra da igreja e arruinaria as vidas de nossos irmãos e irmãs. Dessa forma, Deus nos odiaria e seríamos eliminados. Quando via os irmãos e irmãs enrolando no trabalho, eu citava algumas pessoas que tinham sido expulsas como exemplo. Eu dizia que estavam sendo enganosos e isso equivalia a trair Deus. Se eles não mudassem suas ações, teriam o mesmo destino como as pessoas que tinham falhado. Quando eles não queriam difundir o evangelho, eu discutia como tais ações eram rebeldes e resistentes a Deus… Ó, Deus! Em que sentido eu estava usando a verdade para resolver os problemas deles? Eu estava usando a pura intimidação! Sob a orientação de Deus, pensei na seguinte passagem de um sermão: “O serviço em consonância com a vontade de Deus requer que em todas as coisas e em todos os assuntos nós devamos exaltar a Deus, dar testemunho Dele, comungar Sua vontade e Suas exigências e permitir que os outros ajam de acordo com a palavra de Deus. Não devemos levar as pessoas a agirem de acordo com os princípios, regras e ditados dos homens. Sua comunhão deve possibilitar que as pessoas se coloquem diante de Deus e obedeçam à Sua vontade, que ajam de acordo com a palavra de Deus e, finalmente, conheçam e obedeçam a Ele” (da comunhão do alto). Nesse momento, experimentei uma revelação repentina. Deus confia aos líderes a obra de exaltá-Lo, testemunhá-Lo, comungar Sua vontade e Suas exigências, permitindo aos outros agirem de acordo com as exigências de Deus, e, finalmente, entenderem e obedecerem a Deus. Enquanto resolvia os problemas de meus irmãos e irmãs, eu raramente falava sobre as exigências, a vontade e as expectativas de Deus. Além disso, eu usava muito pouco a verdade para comungar a respeito das condições de meus irmãos e irmãs. Ao contrário, eu dissecava implacavelmente a natureza deles e o modo como agiam. Eu mencionava as possíveis consequências de suas ações para intimidá-los a buscarem o autoconhecimento. Isso acabou com a capacidade de meus irmãos e irmãs de perceberem a vontade de Deus. Impediu também que eles conhecessem a si mesmos verdadeiramente e fez com que tivessem ainda menos capacidade de ver a sincera intenção de salvação e amor de Deus para a humanidade. Assim, eles viviam todos os tipos de situações anormais. Só nesse momento percebi que eu estava agindo apegada cegamente aos meus próprios desejos. Eu estava resistindo a Deus! Liderando meus irmãos e irmãs dessa maneira, não fui apenas incapaz de ajudá-los a compreender e obedecer a Deus, mas, na verdade, também fiz com que eles interpretassem mal e entrassem cada vez mais em conflito com Ele. Dessa forma, eles ficaram cada vez mais afastados de Deus e cometeram cada vez mais transgressões. Apesar de resolver os problemas de meus irmãos e irmãs de acordo com a palavra de Deus e dizer a verdade, na realidade, eu não trabalhava de maneira construtiva. De fato, o que eu fazia era absolutamente inútil. Essa forma de trabalhar era extremamente prejudicial para o trabalho da igreja. Então, percebi que a melhor maneira de apoiar meus irmãos e irmãs era permitir-lhes entender a vontade de Deus através da Sua palavra, compreender a intenção sincera de salvação de Deus, conhecer a essência de sua própria natureza e, assim, aprender a se odiar, a agir de acordo com as exigências de Deus e, finalmente, a conhecer e obedecer a Ele. Esse é o verdadeiro sentido de servir de acordo com a vontade de Deus. Apenas dessa forma o serviço pode ser considerado da vontade de Deus.

Eu dou graças a Deus por me mostrar a verdadeira razão da ineficiência da minha obra. Mais tarde, passei a agir com consciência para comungar a vontade e as exigências de Deus de acordo com as condições de meus irmãos e irmãs. Eu debati por que Deus queria que eles agissem de acordo com o que Ele pediu, como Suas sinceras intenções refletiam na vida deles e que tipo de efeito Deus esperava que tivesse. Também debati como eles poderiam trabalhar com Deus para estar de acordo com a vontade Dele… Depois dessa comunhão, eu vi realmente as bênçãos de Deus: meus irmãos e irmãs começaram a entender a vontade de Deus e a testemunhar a salvação Dele. Compreenderam que o preço que Deus pagou por todos os homens está além da nossa compreensão. Começaram a entender sua natureza rebelde, estavam dispostos a buscar a verdade e motivados a cumprir seus deveres.

À medida que os fatos se revelaram, eu tive uma profunda sensação da real natureza do amor de Deus. Quando trabalhei de acordo com a minha própria vontade, resistindo a Deus em meu serviço, Ele revelou imediatamente as minhas deficiências e corrigiu todos os erros de minha obra. Caso contrário, eu realmente não sei para onde minhas ações levariam meus irmãos e irmãs e por quanto tempo eu os teria atraído para o perigo. Deus Todo-Poderoso, obrigada por Tua verdadeira obra, que me possibilitou enxergar as Tuas ações maravilhosas e a salvação que Tu trouxeste a mim. A partir de hoje, eu prometo me submeter ainda mais à verdade e trabalhar com mais afinco para cumprir os Teus requisitos, de modo a buscar e entender a Tua vontade e alcançar a capacidade de trabalhar de acordo com o Teu desejo em todas as coisas, realizando o serviço de acordo com a Tua vontade.

Conteúdo Relacionado

  • A juventude sem arrependimentos

    Xiaowen, Cidade de Chongqing “O ‘amor’, refere-se a uma emoção que é pura e sem máculas, em que você usa o coração para amar, sentir e ser atencioso. …

  • Depois de perder o meu status

    Todas as vezes que eu via ou ouvia falar de alguém que havia sido substituído e se sentia mal, fraco ou aborrecido e não queria mais seguir adiante, eu desprezava essa pessoa.

  • Não encontre novos truques ao servir a Deus

    Eu tinha acabado de ser promovida e assumir a responsabilidade de líder da igreja. Mas, depois de um período de trabalho árduo, não somente a obra evangélica da igreja era bastante fraca, como meus irmãos e irmãs na equipe evangélica também estavam vivendo em negatividade e fraqueza. Deparando-me com essa situação, eu não conseguia mais conter os meus sentimentos.

  • Há grande felicidade na honestidade

    Na minha vida, eu sempre tive como lema a frase: “Não devemos ter no coração a intenção de prejudicar os outros, mas devemos vigiar para não sermos prejudicados” na interação social. Nunca confio facilmente nas pessoas. Sempre senti que nas situações em que não sabemos quais são as verdadeiras intenções de alguém, não devemos nos abrir cedo demais.