Somente agora entendo o que é entrada na vida

Por Yulu, Portugal

No início de 2017, eu estava cumprindo um dever de liderança na igreja. Após treinar por um tempo, alguns irmãos e irmãs me deram um conselho: eles disseram que eu tinha pouquíssimo entendimento com relação a suas situações e dificuldades, e não havia feito nenhuma obra real. A fim de reverter essa divergência, preparei-me para fazer uma rodada de visitas de acompanhamento a fim de que pudesse entender as situações de todos os irmãos e irmãs da igreja. Para tal fim, eu me deslocava para as casas dos membros da igreja todos os dias, ocupando-me em ter comunhão com irmãos e irmãs e oferecendo apoio e assistência. Quando eles alcançaram uma certa reversão em suas situações e resolução para suas dificuldades, concluí que eu era, sem dúvida, capaz de fazer um pouco de trabalho real, e me senti bastante satisfeita. Para minha grande surpresa, um dia o líder da equipe de rega me disse: “Durante a reunião de hoje, após obter um entendimento de nossa situação, a liderança superior disse que recentemente nós temos nos ocupado somente da obra, e não da entrada na vida…” Ao ouvir isso, fiquei muito chocado e pensei: “Pensei que os irmãos e irmãs haviam comunicado seu estado durante a reunião e ganho algum conhecimento sobre si mesmos; então, como pode ser dito que eles não têm entrada na vida? Se nenhum deles alcançou entrada na vida, e eu sou responsável pelo trabalho deles, então isso não diz que eu também não alcancei a entrada na vida?” Senti-me em conflito e fui incapaz de aceitar os indicadores de meus superiores.

Alguns dias depois, a Irmã Li se aproximou de mim após uma reunião e disse em tom sombrio: “Depois de ouvir sua comunicação hoje, não senti nenhuma satisfação. Enquanto estava comunicando, você mencionou que os líderes superiores haviam dito que as irmãs e irmãos da equipe de rega não haviam obtido entrada na vida — então como você sabe disso? Você tem prestado alguma atenção a sua própria entrada na vida recentemente? Você deveria passar algum tempo em autorreflexão.” As palavras da irmã caíram como um balde de água gelada sobre todo o meu corpo. Sentindo-me sobrecarregada demais para aceitá-las, pensei comigo mesma: “Faço reuniões e comungo com meus irmãos e irmãs todos os dias e, quaisquer que sejam as suas situações, consigo prover assistência e apoio. Quando comunico as palavras de Deus, integro e falo sobre minhas experiências pessoais também, então, como você pode dizer que não alcancei entrada na vida? Você pode realmente discernir se a alcancei ou não? Você está pedindo demais de mim. Em minha opinião, quando comunga, você nem mesmo tem a profundidade de entendimento que eu tenho; se eu seguir suas exigências, não faço ideia de como irei comungar.” As palavras da irmã permaneceram em minha mente e, quanto mais pensava nelas, mais zangada me sentia. Eu não queria mais nem pôr os olhos na Irmã Li. Na manhã seguinte, minha parceira, a Irmã Wang, me disse: “Ontem à noite, a Irmã Zhang também me perguntou se nós havíamos focado meramente em fazer obra recentemente, e não em alcançar entrada na vida.” Ao ouvir isso, senti-me especialmente incomodada. Pensei comigo mesma: “Como a Irmã Zhang também pôde dizer isso? Eu sempre faço reuniões com ela e sempre integro minhas próprias experiências em minha comunicação, e ela me ouviu fazer isso — então, como pode dizer que não tive nenhuma entrada na vida? Agora duas irmãs diziam a mesma coisa; poderia ser que eu realmente não tivesse alcançado nenhuma entrada na vida? Se sim, como eu poderia regar irmãos e irmãs? Seria eu incapaz de cumprir tal dever?” Nessa altura, eu estava como uma bola de borracha murcha; sentia-me completamente desanimada. Em meio ao sofrimento, orei a Deus: “Deus Todo-Poderoso! Sinto tanta angústia no coração agora. Não sei como experimentar este ambiente, nem sei que lição devo aprender. Deus! Eu imploro a Ti por orientação; faze-me entender a Tua vontade…”

Depois de orar, pensei em uma passagem da comunhão: “A vontade de Deus é muito simples: trata-se de usar todo tipo de ambiente, todo tipo de irmão e irmã, todo tipo de questão para provar você, para fazer você deparar com obstáculos, passar por refinamento e depois entender a si mesmo. Por fim, você conhecerá verdadeiramente a si mesmo e verá que não é absolutamente nada, aceitando com alegria a verdade, aceitando ser tratado e podado, e obedecendo à obra de Deus para entrar na trilha certa em sua fé. Essa é a vontade de Deus. De forma alguma a vontade de Deus é usar ambientes para fazê-lo cair e ser incapaz de se levantar, e depois deixar que você morra. Não é assim que ela é. A vontade de Deus é fazer com que você entenda a si mesmo por completo e depois rapidamente se reerga e busque a verdade. Isso é porque as pessoas só confiam em Deus e buscam a verdade quando estão desesperadas… A razão de moderar e de podar você é fazer com que se abata ou torná-lo mais adequado para uso? A exposição de sua falta de verdade e de realidade é feita para julgar e condenar você, ou para fazê-lo levantar e se equipar com a verdade e buscar a verdade? Se você meditar nisso muitas e muitas vezes, não entenderá a vontade de Deus?” (de ‘Perguntas e respostas’ em “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida VII”). Depois de contemplar esse sermão, tive a repentina percepção de que essas pessoas, eventos e coisas desagradáveis com que deparei uma após a outra recentemente, na verdade, vieram da poda e do tratamento de Deus para comigo; eles eram o Seu caráter justo, manifestados sobre mim, e neles estavam as boas intenções de Deus. A Sua vontade não era fazer-me recuar em negatividade, nem era fazer-me existir em um estado de argumentação sobre certo e errado; mas era levar-me diante de Dele em autorreflexão para que eu pudesse conhecer a mim mesma, focar na busca da verdade e me esforçar para alcançar transformação no meu caráter. Entretanto, ao ser podada e tratada, eu havia me recusado a refletir sobre mim mesmo ou a buscar a verdade. Meu coração estava cheio de conflito e desobediência, e eu até havia pensado que o propósito de ter sido lançado em tal ambiente era me expor por ser inadequada para cumprir esse tipo de dever; assim, vivia em um estado de passividade negativa. Eu estava realmente impermeável à razão! Pensei em como, nos últimos dias, algumas irmãs haviam me dito que eu não alcançara nenhuma entrada na vida, e percebi que Deus as estava usando para me lembrar de que precisava me acalmar e refletir diligentemente sobre mim mesma a fim de descobrir quais eram de fato os meus problemas, por que as irmãs haviam dito que eu não alcançara entrada na vida e, antes de tudo, exatamente o que entrada na vida significava.

Mais tarde, li o seguinte na comunhão: “O que é a entrada na vida e a senda da entrada na vida”: “A entrada na vida refere-se à entrada na verdade e nas palavras de Deus. Refere-se a entender a verdade da corrupção das pessoas e da essência da corrupção delas, e então a ser capaz de aceitar a verdade, de aceitar as palavras de Deus e fazer com que se tornem a vida das pessoas. Somente algo que seja relevante para esse tipo de experiência é entrada na vida.” “Entrada na vida se refere à entrada na verdade. A entrada na verdade está baseada em experimentar a palavra de Deus e alcançar um entendimento da verdade.” “Quando temos um conhecimento verdadeiro de Deus, isso prova que temos entrada verdadeira em Suas palavras. Quando temos real conhecimento de nossa própria essência corrupta e da verdade de nossa própria corrupção, isso também prova que temos verdadeira entrada nas palavras de Deus. Quando somos realmente obedientes à obra de Deus, à Sua realidade e à Sua essência, quando realmente satisfazemos todas as Suas exigências, isso prova também que temos entrada verdadeira em Suas palavras. Contanto que haja entrada verdadeira baseada em Suas palavras, que é a real entrada na verdade, e que os resultados que devam ser alcançados sejam alcançados, isso significa que possuímos a realidade da entrada na vida” (de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida II”). Essas palavras me deram um lampejo repentino de visão: Como se pôde ver, a entrada na vida estava relacionada à experiência das palavras de Deus e ao ganho de entendimento da verdade, e à entrada na realidade da verdade. Em outras palavras, significava que, ao experimentarem a obra de Deus, as pessoas podiam colocar as Suas palavras em prática e gradualmente compreender a verdade até que ganhassem conhecimento do caráter de Deus e Sua obra, bem como real conhecimento de sua própria natureza e essência corruptas e da verdadeira face de sua corrupção. Significava que elas poderiam desprezar a si mesmas, virar as costas para suas próprias intenções erradas e natureza satânica, e implementar a verdade, submeter-se a Deus e satisfazê-Lo de acordo com Sua vontade e exigências. Somente assim elas poderiam ser contadas como tendo realmente alcançado a entrada na vida. Comparando a mim mesma com essas condições e manifestações, eu não poderia deixar de refletir sobre minha situação recente: desde que meus irmãos e irmãs me indicaram que eu não havia carregado o fardo de meu dever e não havia prestado atenção em resolver seus problemas, a fim de impedir que dissessem tais coisas sobre mim, ocupei-me de acompanhar as situações de irmãos e irmãs e até usei tempo reservado para devoções espirituais a fim de buscar passagens das palavras de Deus que pudessem resolver seus problemas. Muito raramente eu me acalmava e contemplava as palavras de Deus por mim mesma, ou buscava a verdade e a vontade de Deus nessas declarações. Ao cumprir meu dever, eu não havia prestado nenhuma atenção a meus pensamentos e ideias, nem havia feito autorreflexão para descobrir quais caracteres corruptos eu havia revelado e em quais verdades eu precisava entrar, e menos ainda se a senda em que eu estava era certa ou errada. Toda vez que comungava nas reuniões com eles, eu simplesmente tomava as palavras de Deus e as comunicava a meus irmãos e irmãs para que eles pudessem praticar a verdade, porém, eu mesma não aproveitava essas oportunidades para refletir sobre mim mesma ou para entrar nas palavras de Deus com eles. Às vezes, depois que parte de meu caráter corrupto se revelava, eu simplesmente o comparava com as palavras de Deus e procurava passagens de encorajamento ou conforto para ler. Isso satisfazia o incômodo que eu sentia em meu coração, mas muito raramente eu me analisava ou refletia sobre mim mesma de acordo com as declarações de Deus a fim de conhecer minha essência corrupta. Como resultado, eu não me abominava e, subsequentemente, não focava em praticar a verdade. Quando encontrava mais de tais ambientes, eu novamente mostrava a mesma corrupção. Considerando todos esses sinais aparentes em mim, como eu poderia dizer que havia alcançado entrada na vida? Por reputação e status, eu fazia o melhor para me devotar à obra, mas, em geral, não dava importância a ponderá-las quando comia ou bebia as palavras de Deus. Eu simplesmente me satisfazia com conhecimento doutrinário, mas não entendia genuinamente a Sua vontade e exigências, nem que resultados Ele pretendia alcançar com as palavras que proferia. Eu não havia entendido de fato a verdade e ainda menos tinha o testemunho da prática das palavras de Deus. Eu não tinha experiência real e, de modo algum havia alcançado alguma entrada na vida! Após pensar mais sobre como havia sido podada e tratada recentemente por meus líderes superiores e meus irmãos e irmãs, vi que eu me revelara contraditória, desobediente e argumentativa. Se de fato eu tivesse alcançado entrada na vida, então, ao ser podada e tratada, teria sido capaz de buscar a verdade e refletir sobre mim mesma, mas não me encontraria vivendo em negativismo e contrariedade. Somente agora fiquei totalmente convencida de que eu realmente não havia obtido entrada na vida e de que, em minha comunhão com irmãos e irmãs, eu havia simplesmente me gabado muito de palavras e doutrinas. Como diz o ditado: “As ações de generais afetam as ações de seus soldados”. Já que eu mesmo não havia alcançado entrada na vida, como poderia levar meus irmãos e irmãs à realidade das palavras de Deus? A maneira como eu trabalhava não era passível de enganar e arruinar meus irmãos e irmãs? Tal percepção fez com que eu me sentisse bastante assustada. Felizmente, Deus havia usado aquelas irmãs para me prover um oportuno lembrete à autorreflexão, de modo que eu pudesse conhecer a mim mesma; de outra forma, eu teria continuado a focar apenas no trabalho e nas incumbências externas, mas eu mesma não teria entrado na vida, e por fim, não haveria a menor transformação de meu caráter de vida — e eu poderia apenas ser exposta e eliminada por Deus. Agradeço a Deus por Sua orientação! O arranjo de Deus para tais pessoas, eventos e coisas havia sido maravilhoso e foi exatamente o que eu precisava. Somente sendo podada e tratada assim, foi que passei a entender o que era a verdadeira entrada na vida e ganhei algum conhecimento de minha real situação. Vi que, sem buscar a verdade nem atentar para alcançar entrada na vida, eu teria me mantido em minha fé até que, finalmente, terminasse em fracasso.

Após isso, eu conscientemente foquei em minha própria entrada. Todos os dias, durante minhas devoções espirituais, eu me treinava com determinação a fim de tentar ponderar as palavras de Deus e atentava para buscar a verdade nelas, bem como para implementá-las na vida real. Dentre as pessoas, eventos e coisas que encontrava, eu focava em compreender meus próprios pensamentos e ideias, refletindo em minhas intenções e impurezas no cumprimento de meu dever, dissecando minha natureza e essência e procurando uma senda a partir das palavras de Deus para a prática e a entrada na vida. Ao resolver os problemas de meus irmãos e irmãs, deixei de simplesmente comungar para resolver suas situações; eu focava em autorrefletir e em conhecer a mim mesma para descobrir se eu tinha ou não os mesmos problemas, a fim de que pudesse alcançar entrada junto a meus irmãos e irmãs. Após algum tempo fazendo isso, senti que meu relacionamento com Deus estava muito mais próximo e ganhei um pouco de experiência e conhecimento de Suas palavras. Também alcancei alguns resultados em meu trabalho para a igreja. Mais tarde, vi, a partir da comunhão de meus irmãos e irmãs, que, ao encontrar problemas, todos começavam a refletir sobre suas próprias intenções e impurezas, e analisavam sua própria natureza e essência. Eles também foram capazes de entrar em algumas palavras de Deus. Obrigado, Deus!

Depois da fase de ser podada e tratada, ganhei um pouco de conhecimento real do que é a entrada na vida e passei a ver minhas próprias deficiências de forma um pouco mais clara. No cumprimento de meu dever, comecei a prestar atenção à minha própria entrada e vi quão doce era buscar a verdade e colocá-la em prática. Todos esses foram efeitos da obra de Deus sobre mim. Obrigado, Deus! Em tudo o que eu experimentar daqui para frente, espero ser firme e realista em minha busca da verdade e me empenhar para alcançar uma transformação de caráter um dia, num futuro próximo.

Conteúdo Relacionado

  • Depois de perder o meu status

    Todas as vezes que eu via ou ouvia falar de alguém que havia sido substituído e se sentia mal, fraco ou aborrecido e não queria mais seguir adiante, eu desprezava essa pessoa.

  • Quem conhece o coração maternal de Deus?

    Em relação ao aspecto da verdade de que “Deus é justo”, eu costumava sempre ter uma compreensão um tanto absurda. Eu pensava que, quando alguém revelasse corrupção em sua obra ou cometesse transgressões que prejudicassem a obra da igreja, esta pessoa deveria sofrer retribuição, ou perder a sua função e ser submetida a punição. Esta é a justiça de Deus.

  • Toda palavra de Deus é uma expressão do Seu caráter

    Hu Ke Cidade de Dezhou, Província de Shandong Sempre que eu via estas palavras ditas por Deus, ficava ansiosa: “Cada sentença que proferi contém o …

  • Julgar pelas aparências é simplesmente absurdo

    Yifan Cidade de Shangqiu, Província de Henan No passado, muitas vezes eu julgava as pessoas pela aparência, tendo maior consideração por pessoas en…